Meio Bit » Baú » Games » Jogos Freemium–Para o bem ou para o mal, esse troço pegou

Jogos Freemium–Para o bem ou para o mal, esse troço pegou

08/05/2012 às 20:50

simpsonsjogo

A idéia é maquiavelicamente boa, se assemelha ao lendário traficante de porta de escola: Fornece as primeiras doses de graça, depois passa a cobrar.

No caso dos jogos Freemium, você não paga pelo jogo em si, mas compra acessórios, “dinheiro”, moedinhas verdes (não fale Beetlejuice 3 vezes ou “ela” aparece), superpoderes ou, no caso do Simpsons: Tappet Out, rosquinhas.

“ah, ninguém é otário de gastar dinheiro com isso”

É sim. A Zynga que o diga, faturando centenas de milhões de dólares com Farmville. Uma pesquisa mostrou que nada menos que 38% da população dos EUA joga algum jogo freemium. Isso dá um total de 114 milhões de pessoas, e 40% delas fez pelo menos uma compra dentro do jogo.

Muitos gamers tradicionais consideram esse tipo de coisa uma trapaça; troca-se dedicação por dinheiro. Você evolui aos saltos, enquanto quem realmente se dedica ao jogo fica para trás.

Isso não é problema. É só um jogo, droga. O problema é que em muitos casos é impossível evoluir sem pagar, e caro. O DC Universe Online é excelente até determinado ponto, depois se torna inviável para os jogadores mãos-de-vaca como eu.

O próprio SImpsons: Tapped Out tem diversos prédios e objetos que custam mais de 100 roscas, sendo que você só ganha roscas uma vez por semana, e nunca mais de dez. Completar Springfield levará anos nesse ritmo.

Ninguém nunca perdeu dinheiro apostando na ganância alheia, mas o modelo freemium usado de forma errada pode alienar um bom grupo de gamers que eventualmente investiria no jogo.

Talvez a Zynga não esteja interessada nesses gamers, e com o dinheiro que andam ganhando, nem dá pra dizer que estão errados, mas do ponto de vista mercadológico idealmente você atinge um determinado grupo de consumidores, sem alienar todos os outros.

Leia mais sobre: , .

relacionados


Comentários