Meio Bit » Baú » Demais assuntos » Smartphone Motorola RAZR XT910 – [Análise]

Smartphone Motorola RAZR XT910 – [Análise]

14/02/2012 às 17:22

Alguém precisava trazer um concorrente à altura para o Samsung Galaxy S II, que estava reinando por muito tempo no país dos Androids. E a Motorola acertou em cheio com o RAZR XT910, que traz características muito semelhantes – quando não idênticas – ao bambambam da Samsung. Um aparelho parrudo para entretenimento e para quem procura aparelhos de alta qualidade.

Design

Ele é no mínimo diferente. Quando pegamos ele nas mãos, logo o consideramos desengonçado. Não que ele seja feio, mas sua tela grande e a pequena espessura o deixam parecendo uma fina placa enorme para ser colocada na orelha. Ele parece, na verdade, um mini Xoom 2.

A frente é toda tomada por vidro chanfrado, e não há nenhum botão físico, sendo que todos os botões padrão do sistema são de toque, e só aparecem quando se interage com o aparelho. O formato dele é quase um retângulo, com as bordas ligeiramente "apertadas". Ele é leve, apenas 127 gramas, e tem proteção contra água, mas apenas "splashes".

Smartphone Motorola RAZR

Motorola RAZR (Foto: Stella Dauer)

Ele não é fino por igual. Na parte superior a espessura é maior devido à câmera, acompanhada do flash e também de um falante. A mesma traseira é é=quase toda coberta por uma textura emborrachada, onde também fica o kevlar, material usado em coletes à prova de balas. As bordas são de plástico cinza azulado semi brilhante muito bonito.

Há microfone na traseira e na frente, e no lado esquerdo encontramos uma tampinha que protege a entrada do microSIM e do microSD. Como não há acesso à bateria, esses cartões são acessados por fora. Do outro lado ficam o botão de energia e de volume. Em cima ficam a entrada para fones e as conexões microUSB e microHDMI.

Smartphone Motorola RAZR

Traseira em kevlar (Foto: Stella Dauer)

Tela

Uma enorme tela de 4.3 polegadas, com tecnologia super AMOLED e Gorilla Glass. Apesar de ter o mesmo tamanho do Galaxy S II e as mesmas 16 milhões de cores, possui mais definição, com 540 x 960 pixels. Com essa definição e esse brilho todo – com brancos bem equilibrados –, fica ótima para ver vídeos e jogar. A resposta da tela é suave e boa, não precisa ficar apertando várias vezes para que ela responda

Hardware e processamento

Resumidamente temos aqui um potente processador dual-core de 1.2GHz Cortex-A9, acompanhado de 1GB de RAM. Isso é a mesma coisa que o S II, só muda a marca dos chips. Também temos conexão WiFi b/g/n, GPS, 3G e Bluetooth 4.0, tudo de ponta. Nos sensores temos acelerômetro, proximidade e a bússola. Giroscópio só para o S II.

Smartphone Motorola RAZR

Motorola RAZR (Foto: Stella Dauer)

O hardware não deixa nada a desejar. A resposta é rápida, o sistema é adequado para isso. Testamos com diversos jogos pesados que rodam 3D, além de passá-lo por um aplicativo de benchmark, e ele não engasgou com nada. Os resultados no aplicativo de benchmark Quadrant Standard foram ótimos. O Samsung Galaxy S, que é antigo mas ainda é rápido, ficou com 800. O RAZR teve 2513 pontos!

Ele se saiu bem também nas ligações. A conexão é um pouco fraca, mas a ligação é clara e cristalina, com som bem alto.

Câmera

A câmera de 8 megapixels e flash de LED trouxe bons resultados – melhor do que os que costumamos encontrar nos aparelhos da Motorola! Em situações de muita luz, se saiu bem, apenas com um pouco de blur, uma luz fantasmagórica em toda a foto.

Em pouca luz, traz bons detalhes com flash, e granula fortemente, mas dá para o gasto. A acuidade também não é impressionante, e poderia ser melhor nisso, já que são 8 megapixels. Há um sistema de panorama que tira fotos automaticamente até formar uma imagem.

Smartphone Motorola RAZR

Câmera que filma em Full HD (Foto: Stella Dauer)

São muitos os ajustes. Além de alguns efeitos de cor, possui 7 cenas interessante como retrato, automático, noite, macro e outros. Possui foto com timer, em sequência, controla exposição e flash. Também funciona com geotagueamento. Há também uma câmera frontal de 1.3MP, que serve apenas para chats.

O vídeo funciona com zoom durante a filmagem, mas deixa tudo muito granulado. Aliás, mesmo em situação de boa luz o vídeo Full HD (1080p a 30fps) também granulou. Já a recepção do som se mostrou muito boa. Para melhorar a filmagem, há também um microfone na traseira do aparelho, um cuidado visto em poucos smartphones até agora.

O áudio, inclusive, possui diversos ajustes como estéreo, redução de vento, show e outros. Muito completo, mostra o início dos smartphones que querem o lugar também das filmadoras. Mas com essa granulação, ainda não vai ser dessa vez. Não possui auto foco, mas tem uma boa estabilização.

Sistema operacional e usabilidade

O sistema que vem nele é o Gingerbread 2.3.5, mas a Motorola já garantiu update para o Ice Cream Sandwich. Ainda assim, ele é todo mexido pela empresa, e vem com o sistema Blur, porém muito mais integrado ao sistema e muito menos incômodo. Não tem um visual tão bonito quanto o da Samsung, mas se tornou tão usável quanto ele. Há muitos widgets sociais, transições diferentes e outras surpresas, legal de explorar. Tem suporte a Flash.

A função que é o diferencial do RAZR se chama Smart Actions. Ele é um aplicativo, mas influencia em todos os outros e também na sua produtividade. Ele funciona automaticamente, aprendendo com sua rotina, ou configurado manualmente. É possível criar gatilhos que desencadeiam ações diversas.

Smartphone Motorola RAZR

Sistema de tarefas inteligentes (Foto: Stella Dauer)

Por exemplo: quando você chega no trabalho, muda o perfil para silencioso. Mas, quando sai para almoçar, precisa que o aparelho toque alto. Quando chega em casa à noite e o WiFi entra em cena, você quer que ele passe a atuar com push mail. Tudo isso pode ser configurado nesse app, e isso deixa um smartphone realmente "esperto".

Outra coisa que só se percebe o valor com o tempo são grupos. Só tínhamos visto grupos antes em aparelhos da LG, mas essa é uma função matadora. É possível dividir seus aplicativos em grupos pré-selecionados pelo sistema ou criar seus próprios grupos. Para aqueles que mantém mais de 100 aplicativos na memória, é uma benção poder separar jogos de aplicativos, pelo menos.

Aplicativos

Há bastante coisa incluída no RAZR. Além dos tradicionais, encontramos o GoToMeeeting para reuniões online, Citrix para o mesmo objetivo, Locais e amigos – que mostra locais próximos em determinadas categorias, além de mostrar o que seus amigos estão fazendo – e o QuickOffice para visualizar e editar arquivos.

Os já conhecidos são tarefas, gerenciador de arquivos, alarme, comandos de voz, Gmail, Gtalk, Latitude, Locais, Navegador, Roteador WiFi e redes sociais – um filhote do Blur.

Música e mídia

O tocador de música tem o dedo da Motorola. Ao invés do simples player do Android, uma interface modificada que funciona junto ao Last.fm. E com o aplicativo MotoCast você transfere músicas do computador para o RAZR, ao estilo iTunes/iPhone. Há também áreas especiais para rádio online e podcasts. Se estiver conectado à internet, puxa na hora a letra da música que está tocando.

O som externo é bem alto, mas fica estourado quando nos volumes maiores. Há um equalizador, mas não melhora muito. Já o som interno, com o par de fones comuns, é bem melhor. Não se compara com os Sony e Nokias, mas tem um bom estéreo. O equalizador traz muitas opções interessantes, mas não consegue tirar o ligeiro excesso de agudos.

Smartphone Motorola RAZR

Conexões microHDMI e microUSB, além do fone (Foto: Stella Dauer)

Para filmes, muito bom também. Graças à tela gigante, à boa definição e ao super AMOLED, é muito bom e confortável assistir vídeos nele. Ainda mais na cama, com a sua leveza. Ele aceita os formatos MP4, H.263, H.264 e WMV, mas qualquer coisa diferente disso pode ser resolvida com um aplicativo.

E ele também possui conexão HDMI – com cabo incluso, o que é muito bom – e tecnologia DLNA, que permite conectá-lo sem fios a outros dispositivos eletrônicos como home theaters, DVDs, etc. Qualquer filme FUll HD roda com seu processamento em sua HDTV.

Armazenamento e bateria

Por ter 16GB de armazenamento, não vem com nenhum cartão de memória, mas aguenta até 32GB. Com 16GB já dá para fazer muito, e um cartão de 32GB já não custa mais tão caro.

E já que sua comparação acaba sendo com o Galaxy S II, sua bateria é tão boa quanto o modelo da Samsung. Ele ficou ligado com o WiFi por um dia inteiro e não gastou nem um terço da bateria. Com o 3G e o GPS juntos ele também mostrou um ótimo desempenho.

Smartphone Motorola RAZR

Tampa protege entrada de microSIM e microSD (Foto: Stella Dauer)

O que vem na caixa

Uma caixa bem completa. Nada de muquiranice e simplicidade como, por exemplo, a Samsung. Aqui encontramos, além do aparelho, um par de fones, cabo HDMI – uma mão na roda, pois é um cabo caro e difícil de encontrar –, cabo USB, Há também um adaptador para que o RAZR possa ser utilizado no lapdock do Atrix.

Smartphone Motorola RAZR

Conteúdo da caixa do RAZR (Foto: Stella Dauer)

Para quem é

O Motorola RAZR é um concorrente à altura do Samsung Galaxy S II. Apesar de não ser tão charmoso, é muito esperto e com seu sistema que se adequa ao usuário, possui mais definição de tela e tem conexão HDMI nativa, sem precisar de adaptador. Vai ficar para o usuário escolher qual lhe parece mais atraente.

Motorola RAZR
Preço: R$1615

Informações

Tela: 4.3 polegadas Super AMOLED
Resolução de tela: 540 x 960 pixels
Sistema operacional: Android 2.3.5 Gingerbread
Rede: GSM/HSDPA/3G
Armazenamento: 16GB internos
Câmera: 8 megapixels
Flash: sim, de LED
Conectividade: WiFi, WiFi hotspot, GPS com A-GPS, Bluetooth 4.0, 3G, DLNA, HDMI, USB
Sincroniza com PC: sim
Dimensões: 13 x 7 x 0,7 cm
Peso: 127g
Autonomia de bateria: Até 300h em stand-by / Até 9h em conversação
Itens inclusos: aparelho, par de fones, cabo HDMI, cabo USB, carregador de tomada, adaptador para lapdock, carregador veicular e manual rápido.

relacionados


Comentários