Meio Bit » Baú » Demais assuntos » Nanotubos e PU tornam hélices de geradores eólicos mais leves

Nanotubos e PU tornam hélices de geradores eólicos mais leves

02/09/2011 às 15:45

Pesquisadores da universidade de Case Western Reserve, nos EUA, desenvolveram um novo material mais leve e resistente para uso em hélices de geradores eólicos. Os nanotubos de carbono usados na pesquisa são no mínimo 5 vezes mais resistentes à tensão que fibras de carbono e 60 vezes do que o alumínio. O uso de nanotubos pode permitir a construção de geradores eólicos maiores e mais eficientes.

O compósito de poliuretano com nanotubos de carbono é 5 vezes mais resistente à tensão que a fibra de carbono e 60 vezes do que o alumínio e pode permitir a construção de geradores eólicos maiores e mais eficientes. Veja o protótipo funcionando:

Este é a mais ou menos o que você vai encontrar nos sites gringos, talvez com alguns detalhes técnicos a mais.

O que eles não falam é que o sujeito responsável é um blumenauense que trabalhou durante os finais-de-semana por meses, às vezes com a ajuda da esposa, e que teve de desembolsar dinheiro do próprio bolso para adquirir alguns dos materiais do protótipo. O nome dele é Marcio Loos, um sujeito tão aficcionado por nanotubos e nanocompósitos que tem até um site em que fala disso.

Márcio Loos e seu protótipo (arquivo pessoal)

"Eu tive a ideia de fazer as primeiras hélices para gerador eólico no mundo com poliuretano e nanotubos de carbono como reforço. Depois decidi tocar este projeto durante os finais de semana, pois esse não era o objetivo previsto na pesquisa que estou trabalhando atualmente".

De acordo com uma pesquisa inicial, as hélices usando estes materiais ficariam mais baratas do que as atuais, mas isso depende da escala e da oferta no momento da compra.

Loos só formalizou a pesquisa quando viu que funcionava, logo recebeu o apoio de professores da universidade. Ele acredita que ainda é cedo para para ter certeza do impacto prático, embora os compósitos desse estudo podem ter outras aplicações.

Com informações do EurekAlert

Leia mais sobre: , .

relacionados


Comentários