Meio Bit » Baú » Games » Santos Dummont Gamer

Santos Dummont Gamer

No dia do aniversário de Santos Dummont, um passeio por alguns jogos de avião/nave marcantes.

20/07/2011 às 16:08

Hoje é aniversário de Santos Dummont que, como todos sabem (com exceção dos norte americanos) é considerado o pai da aviação. Particularmente tenho um carinho especial por esse mineiro pois, além de ser o responsável por criar o objeto do meu ganha-pão atualmente, ele ainda me agraciou com um dia de ócio criativo em casa. Santos Dummont!

Por conta disso, resolvi aproveitar a data e falar sobre – óbvio que você já estava esperando por isso depois da introdução – os jogos de nave. Como não existem tantos lançamentos expressivos recentes nesse gênero, ligue o modo saudosista e acompanhe o texto.

Antes de mais nada…

Eu sei que existem diversos sub-gêneros dentro do gênero de jogos de nave, mas vou me ater aos famosos shoot’em ups e rails shooters. Além disso, pretendo citar aqueles que me marcaram de alguma forma, numa espécie de timeline e, portanto, vou esquecer um monte de outros. Mas não se acanhem e comentem seus preferidos.

Mãe, deixa eu jogar um pouco pô

Escute o som da explosão e relembre sua infância

O primeiro e provavelmente o precursor de todos os outros jogos de nave foi River Raid (não estou contando Space Invaders). Lançado para o Atari 2600 lá no longínquo 1982, foi o primeiro jogo que joguei.

Não sei exatamente o objetivo do jogo até porque não lembro de ter passado da primeira fase, mas consistia basicamente em avançar no mapa enquanto destruíamos aviões e navios inimigos, tínhamos que desviar de obstáculos e caçar combustível. O fator diversão era bastante elevado, assim como a dificuldade. Em alguns momentos do jogo, a nave acelerava e ficava bastante difícil desviar dos obstáculos.

Adorava o jogo, mas ele me marcou mais porque lembro claramente de minha mãe tirando o controle da minha mão para “me ensinar a jogar”.

Sai que o golfinho é meu

Depois de River Raid, não joguei nada que me marcasse. Passei pelo Gradius do NES, mas não foi nada especial. Desanimei de jogos de nave até conhecer, num fliperama perto de casa, o Sonic Wings 2.

Desenvolvido pela Video System em 1994, esse vertical scrolling tinha jogabilidade impecável, gráficos muito bons e fator diversão lá no alto. No jogo, você faz parte de um time de pilotos que luta contra uma invasão alienígena. O game era bastante difícil porém muito divertido, principalmente pelos diversos power-ups e armas especiais personalizadas para cada aeronave. O golfinho atirando mini-golfinhos era épico.

Diga pra mim, quantos milhões você gastou nesse jogo, hein?

O maior papa-fichas da história

Do a barrel roll

StarFox 64. Com certeza esse é um dos (senão o) melhores jogos de nave de todos os tempos. Lançado em 1997 pela Nintendo e produzido por ninguém menos que Shigeru Miyamoto, era ambientado em um mundo Star Wars-like, mas que era habitado apenas por animais.

No jogo você controlava Fox, a raposa líder do time Star Fox, cuja equipe ainda tinha Falcon (um falcão, d'oh), Peppy (o coelho) e o carismátíssimo Slippy, o sapo que eu jurava que era o Caco, dos Muppets, alguns quilos mais gordo. Seu objetivo era acabar com os planos do malígno cientista Andross.

A jogabilidade era incrível e, aliada as ótimos gráficos do Nintendo 64 e a utilização do Rumble Pack, o jogo se tornou um dos meus preferidos. Os cenários eram bastante variados já que cada planeta tinha sua própria característica.

O modo multiplayer era bem viciante e as variações de jogabilidade (hora na nave, hora com um tanque) não deixavam o jogo ficar chato. Além disso, alguns pequenos detalhes de AI me deixavam impressionados, como quando alguém da sua equipe estava perseguindo uma nave inimiga e você a destruia. Seu comunicador tocava com uma bronca dizendo “ele era meu!”. Sensacional.

Tenho apenas uma frustação com o jogo. Sempre escutei boatos de que dava para jogar a pé com o Fox. Isso é verdade? Nunca achei a resposta.

http://www.youtube.com/watch?v=44lzNwn02Kg

A fase mais legal do jogo. Indepence Day feelings

Windows Media Player

O último jogo que quero citar é de um gênero que passei a gostar demais: os bullet hell. O primeiro que joguei e me fez buscar outros desse estilo foi o Ikaruga. Só tenho uma palavra pra esse jogo: impecável. Desde os gráficos, passando pela trilha sonora, até a jogabilidade.

A mecânica do jogo é a seguinte: você tem uma nave com dois lados, um branco e outro preto. Todas as naves inimigas são e atiram coisas com essas duas cores e você consegue absorver esses tiros se estiver com a cor certa. Assim, o lado branco absorve tiros brancos enquanto o lado preto absorve tiros pretos.

O interessante desse jogo é que, como a tela vai progredindo e “empurrando” o jogador, os desenvolvedores conseguiram sincronizar a música ambiente com os acontecimentos na tela, gerando verdadeiras peças de arte em cada fase.

Como um bullet hell, ele é difícil pra canário, exigindo de você quase uma clarividência para desviar dos tiros. Não precisa se envergonhar por jogar no easy. O jogo, porém, não é frustante como outros do gênero, sendo bastante divertido. Ficou curioso? Veja ai!

Altamente recomendado

Menção honrosa

Já no final deste texto me lembrei de um jogo muito famoso mas que provavelmente quase ninguém jogou. Trata-se do Flight Simulator, da Microsoft. Se você não conhece, o jogo se propõe a simular toda e qualquer operação relacionada a um voo. Não, não tem tiro.

Meu pai sempre adorou esse jogo, tendo inclusive impresso as diversas cartas de rotas aéras que vinham nas primeiras versões do jogo (não sei se isso ainda é feito) e pregando na parede para segui-las. Eu jogava apenas para tentar dar um loop com um 767 =)

Entretanto, agora que trabalho na área de aviação civil, vejo quanto o jogo traduz bem próximo do real as diversas ações que um piloto deve tomar durante um voo normal. É um simulador realmente muito bom.

É isso ai pessoal, espero comentários sobre seus jogos de nave preferidos e sobre os que eu citei aqui. Abraço!

Leia mais sobre: , .

relacionados


Comentários