Meio Bit » Baú » Segurança » Furunfadas públicas e políticas de privacidade imbecis

Furunfadas públicas e políticas de privacidade imbecis

Equipamento que monitora atividades físicas possuía brecha que tornava pública as atividades mais.. íntimas dos usuários.

04/07/2011 às 15:52

Existe uma regra no mundo de desenvolvimento de software que diz ser impossível criar um sistema à prova de idiotas, pois o Universo está sempre inventando idiotas mais criativos. Só que isso não quer dizer que devamos parar de tentar, pois mesmo idiotas não querem utilizar sistemas projetados por idiotas.

O sistema projetado por idiotas do dia se chama FITBIT. O negócio parece um MP3 Player genérico, que se propõe a rastrear via acelerômetro sua atividade física diária, anotando se você anda, corre, dorme, puxa ferro ou exerce outro tipo de exercício.

O problema é o outro tipo de exercício, mas não pulemos as preliminares.

O FITBIT faz um esforço de tentar deduzir a atividade que você está praticando, mas o detalhamento é por sua conta. (anote isso). E, como tudo hoje em dia, é social, tem um site onde você compartilha seu diário de exercícios, mostra aos amigos o quanto tem se esforçado para conseguir o downgrade de "blogueiro" para "ameaça gravitacional" e, eventualmente, "muito fora de forma".

Aqui entra a imbecilidade que você estava esperando: O FITBIT é social. Social DEMAIS, já passou do nível de periguete. A bagaça compartilha automaticamente toda a sua atividade física, inclusive a fornicatória, em um site ABERTO, SEM SENHA, INDEXADO PELO GOOGLE.

Agora a caca já foi corrigida, mas não sem antes a vida sexual de um monte de sujeitos preocupados com condição física ter caído na boca do povo.

É uma besteira inadmissível, mas razoavelmente comum. Noto que falta nas empresas alguém com função de representar o papel de filho de uma dama que troca favores por dinheiro, do sujeito que pensa em todas as formas ERRADAS de usar o produto, de tudo de ruim que pode acontecer.

Já vi mais de uma startup com falhas de segurança horrendas, que eram desconsideradas pois só poderiam ser exploradas se "o usuário usar o sistema de forma maliciosa, errada". Sério, ouvi essas mesmas palavras.

Achar que algo não vai ser mal-utilizado, baseando-se nas boas intenções dos usuários é imbecilidade e inocência, quase tão grande quando configurar um site que divulga atividade sexual dos usuários e deixar a opção de compartilhamento público acionada por default.

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários