Meio Bit » Arquivos » Internet » Pushnote: por que você deve (ou não) experimentar

Pushnote: por que você deve (ou não) experimentar

O Pushnote surge com a promessa de ser uma plataforma unificada e independente de comentários que permeia toda a web.

27/05/2011 às 16:46

Pushnote

Há uma nova startup à sua disposição, com um super padrinho e você deve ao menos observá-la...

A internet é hoje provavelmente o melhor e mais aberto espaço para se consumir e se debater a informação e o conteúdo. Não é incomum sites e blogs receberem o feedback de seu público através dos sistema de comentários que tão bem conhecemos. Não é a maneira mais eficiente e ágil, muitas vezes também nem sempre a mais democrática. Mas as coisas podem mudar.

Para os sites, os comentários podem ser totalmente abertos, moderados ou combinados via serviços alternativos como o DISQUS ou o GetSatisfaction.

A voz pública dos comentários ainda é o melhor meio de contato com sua audiência, quer meramente para servir de para-raio de trolls (como diria a @fabianelima) e hating pets, assim como a plataforma mais eficiente para ouvir com atenção a opinião de seus consumidores e leitores.

Já para estes últimos, os leitores, a coisa muda um pouco de figura e pode se tornar um bocado mais chata e muitas vezes até mesmo burrocrática. Por razões óbvias de segurança e controle, a moderação de qualquer sistema de comentários também é necessária. Entretanto, ao que parece, há uma startup que pode oferecer novo ar ao redor desse problema e ela se chama Pushnote.

O Serviço

Lançado oficialmente na última quinta-feira, o serviço oferece inicialmente aos usuários de Firefox, Chrome e Internet Explorer a possibilidade de comentar e interagir com qualquer site sem nenhum tipo de envolvimento com o muitas vezes cansativo obstáculo de se criar perfis e contas de usuários, senhas, moderações, e muitos etcs. O suporte a outros navegadores está em desenvolvimento.

O Pushnote tem a participação e o apoio de Stephen Fry, incrível autor, ator, agora new-tech evangelista e, como projeto, tem a ambição de levar a interação entre web-formadores de opinião e seu público para níveis ainda mais eficientes.

"O Pushnote converte toda a internet em uma grande e democrática plataforma de comentário (e interatividade)", diz o próprio Stephen Fry.

Amplamente conhecido como um notório odiador da trollagem e da destrutividade de alguns habitantes abaixo da linha que divide a publicação de seus comentários, ele não se acanhou em fazer parte do projeto desde o seu início. Pessoalmente, eu que curto de maneira declarada a sua trajetória, acho que não poderia haver um sponsor melhor a investir em algo como o Pushnote que não fosse o próprio Stephen Fry.

Público e transparente — em ambos os sentidos

Os comentários gerados a partir do Pushnote são classificados, rankeados e moderados única e exclusivamente por sua própria audiência, em qualquer site e sem qualquer outra interação que não seja a promovida pela própria plataforma. É como os nossos Tibs, só que públicos...

Como uma extensão para navegadores qualquer, o ícone do Pushnote fica posicionado ao lado do campo de endereços, sempre à vista do usuário.

Como Funciona?

O funcionamento é mais do que simples: toda vez que o ícone estiver verde, isso quer dizer que outros usuários deixaram comentários na página atualmente visitada. Se ele estiver vermelho, significa que existem comentários e respostas pendentes em outros sites ou páginas. Se estiver cinza, nem um e nem outro. Nada mais, nada menos.

É possível seguir sites completos, apenas publicações pontuais ou comentários de usuários em particular. O Pushnote o alertará sobre qual interação está disponível em cada um deles.

Como Vai Funcionar?

Mas, há de se ter um certo cuidado também. Até o momento, e pelo fato do Pushnote ser primariamente uma plataforma pública de comentários que se integram em toda a rede, não é possível editar ou remover o que for enviado pelo serviço.

Não sei dizer exatamente neste momento se isso é um estímulo à máxima de se "pensar bem, antes de escrever qualquer bobagem da qual pode se arrepender" ou se é meramente uma convenção temporária do beta que mudará no futuro. De qualquer forma, não penso que isso invalide inicialmente a experiência que, por acaso, até que tem sido bem boa.

Estando o Pushnote enquadrado em uma perspectiva de censura realmente livre, não seria possível a princípio moderar ou deletar um review negativo ou até mesmo abusivo, assim como também um simples erro de digitação. Até o momento, sendo essa versão inicial ainda um Beta, não há resposta para esses casos.

Possibilidades

Por outro lado, se for amplamente adotado na rede, as empresas poderão saber com bastante facilidade, em larga escala, como o público responde à sua marca, produto ou serviço, sendo especialmente simples monitorar e acompanhar comentários em toda a internet, uma vez que se faça parte do serviço.

Independente de como o proprietário de um dado website determine os mecanismos padrão de interação com seu público, este último sozinho pode eleger o Pushnote como veículo de feedback e interatividade com outros membros. E esse tem sido o principal buzz ao redor do Pushnote nessa primeira fase de expansão e divulgação do serviço.

Se quiser conhecer, acesse aqui.

Seria interessante ouvir o que você acha, no geral, desta startup.

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários