Meio Bit » Baú » Indústria » À Procura do S.O. Perfeito ( parte III )

À Procura do S.O. Perfeito ( parte III )

24/09/2006 às 6:00

Depois de duas partes ( vejam a primeira e a segunda ), estou de volta para mostrar um pouco mais da pesquisa que realizei em alguns Sistemas Operacionais para dispositivos embarcados.

VxWorks

No início da pesquisa, ainda à procura de opções, lembrei-me do VxWorks, que era utilizado pela Linksys em seus roteadores WRT54G, versões 5 e 6, em oposição ao Linux, das anteriores. A posição oficial era de que a mudança havia ocorrido em busca de uma maior competitividade, já que o sistema da WindRiver podia rodar com um hardware mais modesto ( leia-se: menor quantidade de RAM e Flash ).O VxWorks é um Sistema Operacional de Tempo Real ( RTOS ), ou seja: ele fornece ao programador um prazo máximo e conhecido para que um determinado evento seja 'atendido'. Essa não era uma necessidade básico do projeto mas, se fosse possível implementar a um custo razoável, estava disposto a partir para essa área.

Alguns contatos aqui no Brasil falaram muito bem do sistema. No entanto, verifiquei que os usuários eram sempre grandes empresas ou o governo ( parece que a Marinha o utiliza no controle dos submarinos ). Isse me preocupou um pouco, já que tenho uma empresa pequena, sem o poder aquisitivo do governo, por exemplo...

O contato com a WindRiver não foi muito profícuo. Não há suporte no Brasil e ( nem ) todas as dúvidas foram tiradas por email. Eles me enviaram um CD com a plataforma de desenvolvimento ( baseada no Eclipse, como vocês podem ver ao final ) e sequer discutiram os custos da licença.

Parece ser um bom S.O., a ferramente é bastante amigável e simples de ser utilizada. Infelizmente, a fabricante parece direcionada a empresas de maior porte e / ou governamentais.

QNX

O Sistema da Quantum Software Systems ( hoje pertencente à Harman International ) sempre me interessou. Tive um breve contato há alguns anos, quando do lançamento da versão 4 ( hoje, parece estar na quinta versão, denominada Neutrino ). Na época, fiquei impressionado com um demo, onde o sistema rodava a partir de um disquete, com ambiente gráfico e acesso à internet.

O QNX é um RTOS e tem a estrutura de microkernel, suportando uma ampla gama de processadores ( ARM, MIPS, PowerPC, SH-4, StrongARM, XScale e x86 ). Sua ferramenta de desenvolvimento é baseada no Eclipse e a comunidade em torno do S.O. parece grande.

Ele parece rodar num hardware mais modesto que o Linux e estava tentado a utilizá-lo. Infelizmente, o valor da licença é proibitivo para o meu caso ( algo em torno de R$ 300,00 ). Talvez na próxima.

Esystech X RTOS

Uma boa surpresa foi a empresa brasileira Esystech. Indicada pela Philps, ela produz um S.O. voltado especialmente para circuitos embarcados e, ao que parece, processadores ARM ( não cheguei a pesquisar se há suporte para outras famílias ).

O sistema parece ser bem interssante e tem a enorme vantagem de possuir suporte local. Alías, mais que suporte, já que foi feito aqui. É muito mais fácil tirar dúvidas com o pessoal que desenvolveu o S.O. e não com quem foi apenas treinado nele.

O custo da licença é muito atrante, podendo ser menor que US$ 2,00 por equipamento. Este foi, sem dúvidas, um dos primeiros na minha lista de escolha.

FreeRTOS

Que tal um S.O. de tempo real ( RTOS ), que seja portável o suficiente para rodar de microcontroladores de 8 bits até PCs de alto desempenho? Impossível? Pois o FreeRTOS promete ( e cumpre ) essa façanha.

Basicamente, o S.O. consiste de um pequeno núcleo que coordena as chamadas e processos. É extremamente simples e tem o código-fonte disponível no site.

Compilei o "port" para os PICs, da Microchip e fiz alguns testes. O sistema é realmente eficiente e ocupa pouquíssima memória. Infelizmente, todos os drivers para o meu projeto teriam que ser desenvolvidos do zero, o que demandaria um tempo muito superior ao que temos estipulado. Mas ele ficou marcado para uso futuro.

relacionados


Comentários