Meio Bit » Baú » Miscelâneas » Orkut, Google e o Ministério Público

Orkut, Google e o Ministério Público

28/08/2006 às 17:31

Lendo sobre o imbróglio entre o Google, o Orkut e o Ministério Público, minha primeira reação foi de total apoio. A característica anárquica do sistema de relacionamento o transformou em um antro.

Existe o bom uso, é claro. Milhões de brasileiros usam o sistema para manter contatos, nem que seja o equivalente moderno ao "sinal de fumaça". Entretanto as redes de prostituição, tráfico de drogas, contrabando e quadrilhas de bandidos usam o Orkut como rede de comunicação. Da mesma forma que uma escuta telefônica autorizada pela justiça serve como base de investigação, os dados de quem fez o quê dentro do Orkut são importantes e o Google tem essas informações.
O Google, assim como a Microsoft, a IBM, Oracle, SAP, entre outras grandes empresas são alvos grandes e FÁCEIS. O Google tem pessoa jurídica no Brasil, um rosto e é fácil ir atrás de um alvo com residência fixa e representação legal.

Mas eu esperava um esforço semelhante do Ministério Público para ir atrás dos spammers brasileiros também. Os provedores tem as informações, mas é mais complicado ir atrás de gente assim. Mesmo que não exista base legal para colocar esses safados na cadeia e aplicar uma gorda multa, apenas ter a justiça sabendo exatamente quem faz isso e causar ao menos um incômodo, já seria melhor que nada.

Estelionatários têm usado o spam como arma de divulgação de trojans que roubam dados financeiros. Vendas de remédios mais baratos e medicação controlada (de tarja preta) são sistematicamente anunciados e isso tem um nome: tráfico de drogas. E eles agora possuem mercado nacional, impulsionado pelo spam. Nunca foi tão fácil comprar anabolizantes, anfetaminas, barbitúricos e opióides.

Mas esses alvos são mais difíceis de ser encontrados e investigados. Não existe "um gigante" por trás deles e são ratazanas que fogem ao menor sinal de luz. Ainda assim, seria bom ter notícias de que algo está sendo feito a respeito.

relacionados


Comentários