Meio Bit » Baú » Games » Justiça ordena e UOL tem que retirar jogo do ar

Justiça ordena e UOL tem que retirar jogo do ar

Após pedido de grupo religioso, provedor é orbigado a retirar web game do ar.

10/03/2011 às 11:19

dori_fai_10.03.11

Quando a Molleindustria lançou um web game chamado Faith Fighters onde várias figuras religiosas se enfrentavam no estilo Street Fighter, eles, acredito que inocentemente, não imaginavam que estariam pisando num terreno tão perigoso. Todos nós sabemos que religião é algo complicado, capaz de despertar nas pessoas seus instintos mais primitivos e como o islamismo entende como ofensa a representação visual do profeta Maomé, não demorou até que alguns grupos exigissem que o jogo fosse retirado do site da desenvolvedora.

Como o UOL permitia que o título fosse jogado através da sua seção de web games, a Mesquita Muçulmana de Barretos entrou com uma ação na justiça pedindo que, além de o jogo deixar de estar disponível no ClickJogos, a empresa ainda teria que pagar uma indenização por danos morais no valor de R$ 30 mil. Apesar de a 4ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ter negado o pedido de indenização, ela ordenou a remoção do Faith Fighters das páginas do provedor.

De acordo com o relator do recurso, o desembargador Ênio Zuliani, “o game, embora não seja profano, não é inofensivo e causa repulsa a pessoas que não jogam, o que é suficiente para despertar interesse jurídico….” e a sentença foi acertado por o jogo “constituir uma vulgaridade que ultrapassa os limites do que se deve tolerar.”

Mesmo achando a temática apelativa e desnecessária, tenho dúvidas se proibir o jogo é mesmo a melhor solução. No fundo acho que anda faltando um pouco de bom humor às pessoas e acredito atitudes como essas possuem um fator mais negativo do que favorável. Resumindo, se acho que o jogo precisaria existir? Não. Se acho ele deveria ser proibido? Também não, pois pode estar se abrindo um precedente bastante perigoso para a indústria e os jogadores brasileiros.

[via Sub Judice]

Leia mais sobre: , .

relacionados


Comentários