Meio Bit » Baú » Indústria » Windows Phone 7 e mais números de mercado que não significam nada

Windows Phone 7 e mais números de mercado que não significam nada

Microsoft divulga mais números vagos do Windows Phone 7.

27/01/2011 às 15:03

Números, números, números...

Há algum tempo tivemos acesso àquela informação de que 1,5 milhões de aparelhos com Windows Phone 7 teriam sido enviados para revendas nas primeiras 6 semanas após o lançamento do novo sistema mobile da Microsoft. Acontece que a nota liberada usava termos um tanto quanto "cuidadosamente escolhidos". Isso fez com que muita gente repassasse a notícia como se ela retratasse um número de vendas efetivas de aparelhos, com o WP7 indo realmente para o bolso de algum feliz usuário. De ontem para hoje a empresa revelou um novo dado numérico: mais de 2 milhões de licenças do Windows Phone 7 foram vendidas para fabricantes até agora.

O problema com essas revelações é que elas não dizem nada que possibilite, pelo menos, especular sobre quantos aparelhos com WP7 foram realmente adquiridos por consumidores finais. Nessa postagem do Engadget, o redator sobe o tom e responde que, mesmo que tais números representassem vendas efetivas para consumidor final, eles não seriam tão impressionantes. Usa como exemplo o iPhone 4, que vendeu 3 milhões de unidades com menos de um mês do lançamento.

A matéria questiona ainda outros dados, como os da pesquisa referente à satisfação dos usuários segundo a qual 97% estão satisfeitos e 90% recomendariam o sistema para outras pessoas. O problema é que não há qualquer referência ao número de entrevistados. Quer dizer, mais uma vez são usados números vazios.

A ansiedade da empresa em auferir e em publicizar resultados é perfeitamente compreensível, afinal o novo sistema vem com o grande desafio de quebrar um estigma existente em torno do Windows Mobile, sistema anterior que nunca foi competidor de destaque entre as plataformas para smartphones. O problema é que a estratégia de jogar com números desse tipo parece estar saturando. O artigo do Engadget já sinaliza que os sites especializados podem começar a responder negativamente a esse tipo de publicidade. Está na hora de revelar algum dado concreto ou simplesmente de trabalhar outra forma de divulgação que não fale tanto de números. Não precisa ser expert em publicidade e market para perceber isso.

relacionados


Comentários