Meio Bit » Baú » Miscelâneas » Portoglês Macarrônico: o idioma de quem adora games

Portoglês Macarrônico: o idioma de quem adora games

23/05/2006 às 20:50

O linguajar dos gamers é uma mistura de português errado com inglês errado e a nova modalidade de inglês, o macarrônico (Copyright do Cardoso de alguém, mas ele(a) deixou open source). Muitas vezes, você pode jogar com um anglo-falante nativo que escreve pior em comparação com alguém que fez as aulinhas de inglês e estudou a matéria na escola.

Existem algumas expressões em jogos que simplesmente não possuem equivalente em português e como muitos brasileiros não sabem inglês suficiente para escrever o tempo todo em inglês, acabam usando as expressões "aportuguesadas", criando o portoglês macarrônico, que pode ser absolutamente incompreensível para quem não joga.

Para ouvir as expressões abaixo, é só entrar numa lan house. Existem várias outras, mas essas são as mais comuns:Anda, nuka logo! Normalmente é dito para um mago ou alguém carregando uma arma poderosa, que causa grandes danos. Vem de nuke, que significa arma nuclear ou atacar com armas nucleares. A expressão é usada em qualquer coisa que possa ser radical, como matar todos os processos no Unix.

Upou? Upei. Quando alguém ganha um nível ou faz uma melhoria em arma ou equipamento. Não é o upgrade e sim, no sentido de aumentar, subir.

Levelo? Toh levelando. Vem do inglês, to level, que seria nivelar, por cima, um personagem em jogos de RPG. Essa ação deixa o usuário mais poderoso, o que nos leva a próxima expressão...

Dah powerlevel? Power level é quando alguém com um personagem muito poderoso e que pode enfrentar perigos de níveis mais altos, leva um outro consigo, de níveis baixos, para locais muito perigosos. A experiência é dividida, mas é aplicado um modificador na diferença de nível entre o inimigo e o personagem. O personagem mais fraco ganha muita experiência em pouco tempo.

Espada ele, espada! Ataca com uma arma e não com magia. Pode ser qualquer outra coisa, até arma de chumbinho.

Dah lure. Atrair o inimigo, de preferência, sozinho, separando-o de seu grupo, tornando-o um alvo mais fácil.

Supressa e flankea. Vem de Supress and flank ou suprimir e flanquear, uma tática de guerra onde a idéia é fazer com que o inimigo fique mais tempo escondido do que atirando. Logo em seguida, um ataque feito pelas laterais (flancos), onde o alvo está normalmente desprotegido.

Pina! Vem do inglês pin, que é deixar alguém sem saída, preso em algum lugar, como por exemplo, por fogo de supressão ou ameaça de arma de alto calibre ou um atirador de elite (sniper). Esses segundos são preciosos, dependendo dos objetivos do mapa.

Buffa agora. Buff é usado de forma errada inclusive em inglês. É um adjetivo coloquial que significa melhorar alguma coisa, como buff your speed by running everyday (melhorar sua velocidade correndo todo dia). Ele pode ser usado como um polimento com material macio também. Nos jogos, é uma melhoria, através de mágica, poção ou item que dá poderes ou características especiais ao jogador por um determinado período de tempo. Por exemplo, o Quad Damage do Quake ou um escudo mágico do World of Warcraft ou uma música de Bardo do Neverwinter Nights, são formas de buff.

Esse kra eh moh campero. Vem de camper que traduz-se como campista, ou seja, a pessoa que acampa em determinado local. Em jogos, significa uma pessoa em local estratégico, totalmente equipado, normalmente usando uma arma de grosso calibre como um lança-foguetes ou granadas e espera os inimigos aparecerem.

RK. Do inglês Respawn Killer é o camper que escolhe o local onde os inimigos mortos reaparecem. Antigamente, chamávamos todos de camper, mas agora, com a popularização dessa tática usada por maus jogadores e idiotas, eles merecem uma denominação em separado. É considerado anti-jogo e algumas das contra-medidas é deixar o recém-chegado imune por alguns segundos ou penalizar com pontos quem mata uma pessoa que acaba de entrar novamente na partida.

Tá lagando muito hj. O lag em inglês é um atraso causado pela latência da Internet e das redes. É o tempo de ação-reação dos comandos do jogador (cliente) e a resposta do jogo (servidor). Quando o jogador dá um tiro certeiro e esse atraso está alto, o inimigo pode não estar mais no mesmo local e ele errou o tiro. O problema é que ele já pode ter sido eliminado e ainda nem sabe disso. O lag é medido através do protocolo ICMP, o conhecido Ping e estar abaixo de 200ms é essencial para jogos de ação, sendo que até 400ms é aceitável em alguns jogos de RPG.

Num dropou nada. Do inglês to drop que significa deixar cair algum objeto ou deixar de de discutir um assunto como em drop the subject, will you?. São itens em jogos, deixados pelos inimigos mortos em combate. Os chefes normalmente dropam os melhores equipamentos.

Loota. O loot é a recompensa vinda normalmente de um drop do inimigo. É o conjunto dos itens que ele deixou lá para serem reaproveitados pelo jogador. O verbo é usado no sentido de coletar, pegar.

Ninja looter. É a arte de pegar os itens de um inimigo morto sem pedir permissão aos outros membros da equipe e fugir com os melhores, deixando o resto da equipe chupando dedo. Ou seja, é um ladrão, que normalmente contribuiu pouco para o sucesso da missão. São odiados em praticamente qualquer jogo e existem contra-medidas em vários deles para que isso não ocorra, como direito de pegar os itens de forma alternada ou aleatoriamente determinando qual jogador pode pegar o objeto.

Headshot! Tiro na cabeça. Essa expressão está também sendo usada como "se deu mal", inclusive em empresas. É interessante ver engravatados dizendo Há! Tomou headshot na cara.

Nerfaram a armadura épica. Do inglês nerf que significa, por motivos de equilíbrio do jogo, reduzir o poder de um item, tornando-o ou mais fraco ou custoso de ser utilizado. Normalmente isso é feito para que não exista A arma ou magia dentro de qualquer jogo e todos tenham uma chance. Saiba mais aqui.

Então, se você encontrar alguém pedindo pra você lura, aí nuka e depois espada o safado, você já tem o preparo mínimo necessário. 🙂

relacionados


Comentários