Meio Bit » Baú » Indústria » Virtualização Mobile? Menos...

Virtualização Mobile? Menos...

08/12/2010 às 11:59

Um hoax famoso na plataforma Palm foi o 1o de Abril quando anunciaram Apache rodando nas agendinhas. A brincadeira teve dois resultados inesperados: Trouxe a público a existência de um web server "de verdade" rodando no Palm, anterior ao hoax E deixou gente decepcionada que achava realmente que um webserver como o Apache faria sentido num celular.

Por mais que celulares sejam plataformas computacionais bem mais poderosas que os PCs de verdade de dez anos atrás, não quer dizer que toda aplicação desktop deva ser portada para eles. Hoje é comum achar webservers rodando em celulares, são usados em aplicações específicas de transferência de arquivos, por exemplo. Não se acha, ao menos junto ao grande público webservers genéricos disponibilizando sites, se bem que uma app distribuída fazendo mirror do Wikileaks faria bastante sucesso entre os adeptos do Sofativismo.

Isso vale para outros tipos de softwares também. Já vi até gente reclamando que o Palm não abria arquivos do Autocad, seria útil pra "uma edição de última hora". Então tá.

A realidade é que nem tudo tem que rodar em tudo. A simples existência de um programa não o qualifica para existir em todas as plataformas. Um cliente Foursquare para mainframes não faz muito sentido.

Por isso tudo a novidade da VMware é altamente questionável. Estão oferecendo virtualização em smartphones.

A mesma tecnologia que permite que você rode mais de um sistema operacional ao mesmo tempo em seu computador, com todos os pênaltis de memória, processamento, armazenamento, etc.

Não é implicância, é realismo. Virtualização não faz mágica, é um programa rodando programas, dividindo os recursos limitados da máquina e criando o overhead de um sistema operacional extra. É viável em desktops parrudos? Sim, muito. Em servidores é uma realidade muito bem-vinda e as nuvens da vida dependem de ambientes virtualizados para performance e agilidade na alocação de recursos.

Já no celular...

Não há recursos de reserva no mundo mobile. Os softwares precisam ser otimizados para performance, o armazenamento é limitado, ainda mais nos modelos novos sem cartão de memória.

A VMware propõe uma solução (para um problema inexistente) onde um mesmo celular teria um perfil pessoal e um perfil profissional, um simples toque traria à tona um sistema operacional configurado para as necessidades de cada um, com contatos, emails e configurações distintos.

Oooookey. Problema número uno: vidas profissionais e pessoais se cruzam. O sujeito ter que mudar o sistema operacional para achar o número da mulher na agenda do celular é meio forçar a barra.

Por falar em número, isso tudo não adianta pois o aparelho continuará com um número só. Seus perfis domésticos e profissionais cairão no mesmo lugar.

A Nokia já tinha uma solução semelhante no excelente E71, onde um botão dedicado mudava o perfil de profissional para pessoal. Nunca vi ninguém usar, a maioria das aplicações de email permite mais de uma conta e a maioria das aplicações de calendário permite mais de um tipo de evento. Mais ainda: é essencial que sua agenda pessoal E profissional seja a mesma, a não ser que você queria traumatizar o pequeno Bruce e deixe de levá-lo ao cinema para ver Zorro por causa de uma reunião no trabalho.

Tirando os primeiros 20 minutos de lua de mel todo celular é lento. Rodar dois SOs simultaneamente não é algo que prometa um incremento de velocidade. Fora casos muito específicos é uma idéia que não vai pegar. Até porque fabricantes querem vender celulares e dificilmente alguém pagará US$600,00 ou assinará um plano de fidelidade em troca de uma imagem no VMware.

Leia mais sobre: .

relacionados


Comentários