Meio Bit » Baú » Demais assuntos » 10 razões pelas quais não largo meu Mac

10 razões pelas quais não largo meu Mac

07/03/2006 às 0:54

My faithful old iMac DV SE 400 Sim, eu concordo que a Apple usa sua força de marketing para vender produtos medianos (o iPod mesmo é um produto incrivelmente meia-boca, mas qualquer marca que faz players de maior qualidade - a iRiver é só uma delas - não possui uma linha extensa de acessórios porque não gerou todo o hype do iPod).

Mas estou escrevendo este post para dizer porque adoro o meu Mac e porque não o troco por um PC (meus amigos vivem me perguntado: 'Até quando você vai ficar com essa carroça de 400Mhz???')

Ok, leia o restante do post se quiser saber...1) A cada upgrade do sistema, a Apple o faz ficar mais rápido e eficiente. Ou seja, não é preciso um computador novo a cada revisão. Meu iMac tem performance comparável a um Pentium III de 700 MHz e roda a última versão do sistema operacional numa boa. Tenho 2 HDs, num deles tem o meu sistema do dia a dia cheio de plugins e aqueles programinhas úteis que são inicializados no login e mesmo assim é usável. E o meu OS X no outro HD, que é 'limpo', com o mínimo de plugins e extras e etc, é extremamente rápido considerando minha máquina. O OS X 10.0 era inutilizável em minha máquina, e só ficou rápido a partir do 10.2. E vem melhorando nisso cada vez mais, sem precisar trocar de máquina (obviamente ajudaria muito ter um Mac 'decente')

2) O Finder (equivalente ao Windows Explorer) é só um programa. Ou seja, dá para substituí-lo com alternativas mais poderosas se eu quiser, ou até desligá-lo quando eu não precisar dele e da minha área de trabalho lotada de ícones.

3) Spotlight - não é só um buscador de arquivos. Você digita 'Firefox' e em 5 a 10 segundos você tem tudo relacionado a Firefox - emails mencionando a palavra, o aplicativo, as preferências, tudo. Se for uma busca que gere poucos resultados, é instantânea a aparição destes. E o Spotlight é integrado ao Mail, ao Livro de Endereços, iPhoto, ou seja, busca quase instantânea em quase todos os aplicativos, tanto da Apple quanto outros que usufruem da tecnologia.

4) Comunidade - o Mac OS X fica entre o Windows e o Linux nesse sentido. Têm os aplicativos 'famosos' (Office, Photoshop, Dreamweaver e etc) e um número imenso de freewares muito úteis (open source ou não), além de sharewares baratos que são caríssimos no Windows. Eu tenho um blog em inglês sobre freewares para Mac - freewaremac. Ou seja, tem tanto o suporte dos 'grandes' quanto da comunidade, por isso digo que fica entre o Linux e o Windows nesse aspecto.

5) Webkit - não entendo porque nunca lançaram um browser Webkit / KHTML no Windows. Mesmo com suas incompatibildades, 80-90% de quem usa um Apple usa o Safari como browser primário, e imagino que o pessoal do Linux adore o Konqueror, o navegador que até onde sei foi o primeiro a usar o engine. E quem preferir o engine do Firefox pode usá-lo, ou então o Camino, já que o FF é lerdo para carregar até em um Macintel, ele nunca foi otimizado para Macs.

6) Aplicativos são um arquivo - Isso não é 100% verdade, pois eles na verdade são condensados em 'pacotes'. Na prática, o Word só tem um arquivo, o Word.app, o Dreamweaver também (se você quiser dá pra ver todos os arquivos dentro do pacote .app, mas só fiz isso uma vez para traduzir um programa e tive que editar o arquivo de linguagens dele). Quer desinstalar? Só mandar o arquivo/pacote para a lixeira junto com o arquivo de preferências (em média 4 a 10 kbytes, então se você quiser deixar para reinstalar o aplicativo de novo no futuro, não vai importar muito). Alguna aplicativos como o Firefox criam pastas como Caches e Perfil do usuário, mas uma busca no Finder / Spotlight por Firefox acha tudo isso, e aí é só deletar.

7) Terminal - a principal razão de muitos usuários estarem migrando do Linux para o Mac. Você não precisa mexer no Terminal nunca se não quiser, mas a linha de comando é muito poderosa (o Mac OS X é baseado em UNIX). Pela linha de comando você pode ativar preferências escondidas, como adicionar um menu de Debug no Safari ou uma opção para fechar o Finder, além de muitas outras coisas que nem sei exemplificar porque não uso o Terminal de maneira 'profissa'.

8) Add-ons/plugins - A quantidade destes é imensa, e a maioria gratuitos, pelo Finder ser meio simples demais comparado ao Windows Explorer, por exemplo, mas com isso, você customiza ele do jeito que você quiser para facilitar sua navegação pelos arquivos, podendo deixá-lo com uma aparência e funcionalidade completamente diferente da original.

9) O sistema não vai lotando de arquivos e ficando lerdo com o passar do tempo. Se acontecer do sistema todo travar (quando o meu trava, eu chamo de 'travada mensal'), uma reinicialização resolve completamente em 99% dos casos.

10) Não há necessidade de desfragmentar o disco com o sitema HFS+ de arquivos, apenas de cuidados básicos como Reparar Permissões 1 vez por semana ou por mês, dependendo do uso que você faz do micro, um processo que leva menos de 5 minutos - e se a coisa ficar feia, rodar um utilitário como o Disk Warrior (shareware), que reconstrói completamente seu sistema de arquivos em 15 minutos (em um disco de 120 GB 7200 RPM).

Tem mais coisas meio óbvias (sistema bonito, usa transparências facilmente, spellcheck e a função Undo/Desfazer são embutidas no sistema para qualquer aplicativo, não há virus perigosos no momento, etc). Mas vou parar por aqui.

Eu acho, sim, que a Apple faz coisas muito piores que a Microsoft às vezes, mas isso fica para um próximo post 🙂

relacionados


Comentários