Meio Bit » Arquivos » Internet » Segredos do Vírtua - Parte II: Coletando Informações

Segredos do Vírtua - Parte II: Coletando Informações

24/12/2005 às 0:36

Na parte I desse artigo, vimos como fazer um diagnóstico básico. Agora, partiremos para uma investigação mais profunda do modem RCA. Um dos pacotes de software que não estavam funcionando para fazer diagnósticos na rede era o SolarWinds Broadband Engineers Edition, que reune de uma só vez mais 40 ferramentas de monitoramento de rede. A versão menos específica e útil para qualquer tipo de rede chama-se Solarwinds Engineers Edition. Devo avisar que esses programas são mais indicados para profissionais da área, para um aproveitamento total. Ou um geek fuçador também pode. 🙂

Para essa fase, precisamos desabilitar qualquer firewall de software ou hardware, conectar o modem direto na placa de rede, sem passar por hubs, switches ou routers.
Uma ferramenta útil é o DocsDiag, um software de diagnóstico para cable modem do padrão DocSis, apesar de ainda não ter certeza que esse modem seguia o padrão. Para usar esse programa, você irá precisar da Java Virtual Machine instalada.

Notei que havia algum problema com o Simple Network Management Protocol (que fornece um vasto leque de opções de gerenciamento e faz parte do TCP/IP) ou SNMP quando tentei usar o DocsDiag. Na própria página, eles sugerem desligar o cabo coaxial, reiniciar o cable modem e tentar usar o programa novamente. Isso foi feito e os resultados foram (seriais e mac address omitidos propositalmente):

C:\net>java -jar docsdiag.jar
DocsDiag v030720 Copyright 2001-3 Robin Walker [email protected]

Cable Modem VENDOR: Thomson; BOOTR: 1.1; SW_REV: ST23.1B.41; MODE
L: DCM305
>> serial no. 00700xxxxxxxxx, OS: PSOS 2.5.0, SWM: 071e

System up time = 0 days 00h 00m 41.34s
Downstream channel frequency = 843000000 Hz
Downstream received signal power = 0.0 dBmV (or not supported)
Upstream channel frequency = 5000000 Hz
SigQu: Signal to Noise Ratio = -114.9 dB
Cable modem status = Not ready
Upstream transmit signal power = 0.0 dBmV

Repare que a maior parte das informações são inúteis, porque o modem está desligado. Entretando, descobrimos que o Vírtua desabilitou o protocolo SNMP (por ele funcionar sem o cabo e logo ao colocar novamente, ele pára de responder), a marca real do fabricante, o modelo e o sistema operacional interno. Com alguma pesquisa, é possível descobrir que ele é um modem padrão Data Over Cable Service Interface Specifications 1.1 (DOCSIS 1.1). Também foi possível encontrar a página oficial com o manual do aparelho. Uma observação: RCA e Thomson têm websites sofríveis. Navegar por eles é como ir ao dentista numa segunda-feira de manhã chuvosa: uma [email protected] droga.

Esse padrão, desenvolvido pela Cablelabs permite um controle maior, por parte dos administradores de rede, do cable modem. Eles podem atualizar o firmware remotamente, habilitar e desabilitar funções, alterar a velocidade do modem para download e upload e saber, pelo endereço físico (o MAC address), qual o consumo de banda daquele equipamento.

A porta USB, apesar de possuir um MAC address para ela, está desabilitada. Uma pena, pois poderia permitir o acesso a dois computadores ao mesmo tempo, sem a necessidade de um hub, por exemplo.

Para quem não sabia nada sobre o próprio acesso a Internet, estamos caminhando bem. O modem pertence a duas redes: uma não temos acesso e ele possui um IP de nível A, 10.12.x.x. A outra rede é para a nossa placa de rede "enxergar", em modo bridge, fornecendo o acesso a rede primária. Sem os serviços SNMP, o DocsDiag não teve como verificar o nosso IP da rede Vírtua.

Use o comando tracert www.virtua.com.br. o primeiro IP é o do Universal Broadband Router (UBR), da figura acima.

Para coletar ainda mais informações, use o comando: C:\net>java -jar docsdiag.jar -vvv.
Ele vai simplesmente exibir TUDO sobre a configuração do aparelho.

Parte I | Parte II | Parte III | Parte IV | Parte V

relacionados


Comentários