Meio Bit » Baú » Hardware » Servidor de Impressora? Cai fora, vovô!

Servidor de Impressora? Cai fora, vovô!

08/06/2010 às 17:23

Uma vez caiu em minhas mãos uma tarefa impossível: Configurar um compartilhador de impressora. Era um breguete com duas portas paralelas de entrada, duas de saída e deveria, em teoria direcionar o tráfego de dois micros para duas impressoras diferentes. Claro que nunca funcionou.

Com o advento das redes locais surgiu o Servidor de Impressora, geralmente o micro da secretária (que a #^%$% sempre desligava, apesar dos avisos). Gente rica comprava impressoras com porta Ethernet, imprimindo direto pra rede.

Agora a rede morreu. Sim, Virgínia, a Rede Local deixa de fazer sentido na sua casa. Hoje trabalhamos com serviços, seu documento está no Google, as fotos estão no Flickr e os vídeos no Dino1. Os emails estão n Hotmail, e só Apophis sabe em qual disco virtual estão as planilhas.

Para piorar temos estruturas extremamente heterogêneas, uma rede doméstica pessoal pode ter um Nokia, um Android, um iPhone, um iPad, um PC Windows e até um netbook Linux. (entrou por cotas) Imagine sair instalando impressora em tudo, assumindo (erroneamente) que há drivers pra todas essas plataformas.

SEUS PROBLEMAS ACABARAM!

A HP vendou 750ml de tinta de impressora, investiu os US$800 milhões resultantes em pesquisa e se saiu com uma linha muito, muito legal. Vejam o filminho:

Quando li o release achei que fosse uma gambiarra, mas a solução está MUITO amarrada. Você integra a impressora a redes sociais, ela acessa Internet por conta própria, tem uma interface cheia de mini-aplicativos (vale uma mariola que é Android?) e ainda é Touch.

São 4 modelos, vão de US$299,00 e US$99,00. Todas com WIFI e display Touch colorido.

Você inclusive pode criar um email para imprimir seus documentos de onde estiver. Até (para ódio dos haters) de um iPad.

Claro que isso não vai substituir a instalação local para trabalhos de precisão, mas para ser sincero só a idéia de imprimir direto dela mapas do Google já me ganhou.

E sim, óbvio que há algum tipo de password, do contrário você eventualmente iria acordar abarrotado de emails impressos oferecendo para ampliar em escala descomunal seu bilau. Aquela mixórdia.

Fonte: Ars Technica

relacionados


Comentários