Meio Bit » Baú » Indústria » Indústria fonográfica pressiona Apple

Indústria fonográfica pressiona Apple

07/10/2005 às 17:22

Parece que a dor de cotovelo da indústria fonográfica vai mais longe do que se imagina. As gravadoras agora pressionam a Apple, dona da loja de download de músicas de maior sucesso até hoje, com mais de 70% das vendas mundiais. Gravadoras perdendo o controle da distribuição de músicas para uma empresa de informática? Claro que elas não vão deixar isso barato, e agora querem determinar preços ainda mais altos para as músicas vendidas pela Apple -atualmente por volta de 1 dólar por cada música- e querem também que o formato utilizado deixe de ser proprietário, de modo que as músicas sejam compatíveis com outras tecnologias de outras empresas.

O problema é que as músicas em si nunca foram o "produto-alvo" da Apple e sim os players iPod, que são o que realmente dá grana.

Provavelmente o risco para a Apple é de o formato proprietário aliado a um preço mais alto detonar os dois produtos de uma só vez: as pessoas não comprariam iPod porque poderiam ouvir as músicas do iTunes em outros players, e não usariam iTunes porque haveriam lojas de downloads mais atraentes.

Já a indústria fonográfica vê seu produto subestimado. Não bastasse as músicas não terem mais "meio físico", tendo se tornado "software", e não haver mais o conceito de "álbum", que as possibilitava vender 2 ou 3 músicas ao preço de 15 ou 16, ainda se sente sendo apenas "usada" para alavancar vendas de players de MP3. Se parar pra pensar é motivo pra uma boa dor de cotovelo.

Algumas gravadoras, talvez em represália, voltaram a produzir CDs com proteções contra cópia, o que torna suas músicas incompatíveis com o iPod, ao menos para usuários mais leigos.

Por outro lado claro que é sacanagem a Apple usar formato proprietário.

Enfim, no que resultará isso? A julgar por essas reações das indústrias envolvidas e também dos usuários, cada vez mais decepcionados com as restrições impostas no uso das músicas que compram, me parece que continua inevitável um futuro de músicas puramente gratuitas e livres de DRM.

relacionados


Comentários