Meio Bit » Arquivos » Indústria » Final feliz para assinantes da GVT

Final feliz para assinantes da GVT

15/11/2009 às 9:12

Sabemos que muitas empresas morrem cedo no Brasil. É a burocracia, é a carga tributária, é uma série de fatores, mas é, também, um resquício negativo da nossa: levar vantagem em tudo. Nos pequenos, isso é meio raro, mas em grandes empresas e corporações, é prática recorrente. Sites como Reclame Aqui estão aí e não me deixam mentir.

Nesse cenário caótico, e tendo um bom capital para investir, não é preciso fazer mágica para criar nome. Basta fazer o que qualquer empresa deve, em tese, fazer: prestar um serviço decente, ter respeito pelo consumidor. Clientes satisfeitos não só se mantêm fiéis à empresa, como também ajudam na divulgação da mesma. Num efeito cascata, ocorre que, no final, todos ficam felizes. Karma, essas paradas aê, sacolé?

No baqueado mercado telecom brasileiro, a GVT mostrou, na prática, como a teoria descrita no parágrafo anterior funciona. Com infraestrutura moderna, planos agressivos e justos, e serviços que, se não são perfeitos, estão anos-luz à frente da concorrência, cresceu rapidamente, e virou sinônimo de excelência em serviços de telefonia e Internet. Quem tem, não troca por nada; quem não tem, provavelmente está nessa situação porque vive num área em que (ainda) não há cobertura da empresa.

0000144771

Esse cenário foi ameaçado recentemente. Tamanho crescimento não passou batido pela concorrência, e após a francesa Vivendi manifestar interesse na aquisição da gaúcha GVT, a Telefônica, dona do Speedy e 3º lugar no ranking das empresas mais reclamadas do Reclame Aqui, apresentou ofertas bem agressivas pela empresa: primeiro, R$ 48,00 por ação; depois, a fim de pressionar ainda mais o grupo francês, subiu o valor para R$ 50,50 por ação.

Não deu em nada. Assinantes da GVT, regozijai-vos: hoje a Vivendi comprou 50% do capital da GVT pela bagatela de R$ 56,00 por ação! A negociação ocorreu de forma privada, o que explica a falta de reação por parte da empresa frente às ofertas da Telefônica, e pegou a todos de surpresa.

Esperamos que esse final feliz seja, também, a continudade dos excelentes serviços prestados pela GVT nas áreas em que atua, e que seu alcance aumente mais e mais, sem deixar de lado a excelência. Por enquanto, a Vivendi detém 50% das ações da GVT, mas já requereu às autoridades brasileiras permissão para adquirir toda a empresa.

Mais informações no press release internacional (PDF, em inglês).

Fonte: O Globo.

relacionados


Comentários