Meio Bit » Arquivos » Demais assuntos » Ueda não teme pressão adicional por atrasos do The Last Guardian

Ueda não teme pressão adicional por atrasos do The Last Guardian

Criador do The last Guardian diz que não está preocupado com a pressão sobre um projeto que foi adiado tantas vezes e que o importante é que conseguirá entregar aquilo que sempre imaginou.

23/06/2016 às 10:02

the-last-guardian

E depois de muitos adiamentos e até uma mudança de plataforma — o que por muito tempo foi prometido que não aconteceria, enfim temos uma data para o lançamento do tão aguardado The Last Guardian, dia 26 de outubro de 2016.

Com a disponibilização do jogo estando (relativamente) tão perto, os interessados já começam a se perguntar se a espera valerá a pena, algo que costuma ser tão perigoso para jogos que demoram muito para chegarem às lojas, mas pelo menos o seu criador não está muito preocupado com a responsabilidade de lançar algo que tem sido tão aguardado pelos fãs.

Em termos de pressão ou de pressão adicional, não acho que eu sinta isso,” afirmou Fumito Ueda. “O motivo pelo qual digo isso é porque desde o início tenho sentido uma certa camada de pressão graças aos muitos fãs e seguidores dos meus jogos anteriores, o Ico e o Shadow of the Colossus. Eles foram recebidos muito positivamente, então acho que houve um certo nível de expectativa que sempre senti, o que não mudou apenas por estarmos perto da conclusão do projeto.

O game designer ainda fez questão de dizer que apesar de uma data para o lançamento ter sido divulgada, isso não significa que ele e sua equipe não tenham muito trabalho a ser feito e que por isso terão que dar duro nos próximos meses para atingir o objetivo. Além disso, ele afirmou que o mais importante é conseguir entregar aquilo que imaginou.

Sobre a mudança do PlayStation 3 para o seu sucessor, Ueda disse que isso aconteceu porque o PlayStation 4 lhes permitiria entregar uma maior resolução e um melhor nível de expressões, mas que em sua essência o The Last Guardian é o mesmo jogo que seria lançado na geração anterior.

Por falar nisso, a parte visual é algo que tem sido alvo de algumas críticas nas redes sociais, com pessoas dizendo que o título não melhorou muito quando comparado a aquilo que tínhamos visto há alguns anos, mas particularmente esse é um detalhe que nunca me incomodou no projeto. Se com o The Last Guardian Fumito Ueda conseguir entregar uma experiência tão espetacular quanto a que tivemos nos seus trabalhos anteriores, a parte gráfica será o que me menos me chamará a atenção.

Fonte: Gamespot.

relacionados


Comentários