Meio Bit » Baú » Games » Demigod, Dia 0: 122 mil conexões piratas e 18 mil legítimas

Demigod, Dia 0: 122 mil conexões piratas e 18 mil legítimas

18/04/2009 às 8:17

Está aí um exemplo cabal do parasitismo da pirataria. A Gas Powered Games teve um início difícil com seu mais novo jogo, Demigod. Logo no dia do lançamento, dia 14 de Abril, eles tiveram 140 mil conexões simultâneas e dessas, apenas 18 mil eram legítimas. O caso foi tão sério que um patch deve que ser lançado em seguida para que os servidores fossem isolados dos parasitas.

regulus_stunned

A infraestrutura estava preparada para 50 mil conexões simultâneas. O problema é que apesar deles não conseguirem jogar online, os servidores continuaram a ser martelados por tentativas de conexão. Essencialmente, a empresa sofreu um Denial of Service pirata. E o pior, justamente a empresa que mais advoga contra DRM e esquemas cretinos de proteção.

Por causa da experiência online ruim, o Gamespot solapou uma nota baixa no jogo e mesmo que o problema já tenha sido resolvido, a nota ficará lá. Ou seja, eles levaram chumbo e algum prejuízo sim, por causa da pirataria e um pouco ingenuidade. Ainda assim, a empresa não vê sentido em adotar DRM, pois qualquer esquema irá custar milhões e será quebrado (cracked ou crackeado no jargão pirata) em questão de horas.

A Stardock, distribuidora do jogo, é conhecida por vender jogos sem DRM, como o Gallatic Civilizations, Sins of Solar Empire e o mais recente Demigod. Uma nota: se alguém tem saudade dos velhos tempos de Alpha Centauri e Master of Orion, compre o Galatic Civilizations.

Então fica o aprendizado: sua criação será pirateada e algumas medidas de proteção são necessárias para separar os jogadores legítimos dos falsários para garantir uma experiência ótima a quem pagou por isso. Números de série e validação em servidores parecem ser o formato mais aceito, mas um número como esse não deixa de impressionar, pois estamos falando em ordem de magnitude de diferença.

Fonte: Ars Technica, Demigod – Day 2 Status

relacionados


Comentários