Meio Bit » Baú » Indústria » Stalman estava certo, morte à Microsoft

Stalman estava certo, morte à Microsoft

12/04/2009 às 13:05

Eu entendo que no mundo dos negócios as empresas pratiquem atos questionáveis, moralmente ambíguos e com propósitos obscuros, mas há um limite. Em um momento temos que traçar uma linha e dizer "daqui não passamos".

Do contrário terminamos com megacorporações malignas como a TCA, a OCP, a MomCorp, a LexCorp e agora, a Microsoft.

Vejam o que a desalmada empresa de Redmond fez: Cancelaram a abertura de um PUB em seu campus.

Isso mesmo, Steve Ballmer negou a seus funcionários o sagrado direito de acesso ao álcool, origem e solução de todos os problemas.

O bar, que seria chamado Spitfire, já tinha contratos com fornecedores, estava pronto, havia contratado 22 funcionários, quando, 3 dias antes da inauguração, seu proprietário -Jonathan Sposato- recebeu uma carta da Microsoft dizendo que não poderia mais abrir o estabelecimento.

Vejam o comentário do Lacaio do Mal, porta-voz da Microsoft Lou Gellos:

"O objetivo sempre foi criar um ambiente legal para os funcionários se reunirem, mas fazer isso de uma forma consistente com um ambiente comercial. Nós demos uma segunda olhadda [no bar] e ficamos sensíveis ao ambiente comercial. Decidimos que deveríamos fazer algo mais apropriado, e isso significava não termos um pub"

Eu só posso xingar o Mr Gellos da pior coisa que um programador xingaria outro: GERENTE!

Sim, essa é a mentalidade gerencial atrasada, arcaica, chapliniana que transforma funcionários em "recursos", torna o ato de ir trabalhar uma penitência, e acaba com toda e qualquer lealdade corporativa por parte dos funcionários.

Vejam, não estamos falando de um botequim no 5o andar, ou algo assim. O Campus da Microsoft em Redmond tem 1,2 milhão de metros quadrados e mais de 100 prédios e 12.000 funcionários. É uma cidade. Há todo tipo de comércio no local. Se não fosse uma empresa de nerds, haveria até casa da luz vermelha, mas o pessoal lá gosta mais de BSOD do que BDSM.

Negar a licença para o pub é uma infantilidade, ao mesmo tempo uma tentativa de infantilizar um corpo de funcionários adulto e competente, e um tapa na cara de quem foi pra Microsoft fugindo de ambientes áridos. Sem pub, qual a vantagem de trabalhar em uma empresa que não tem um Hino Corporativo?

Fonte: Gizmodo

relacionados


Comentários