Meio Bit » Baú » Indústria » Sun para IBM: não, obrigado e até mais.

Sun para IBM: não, obrigado e até mais.

07/04/2009 às 17:20

A Sun está para o Yahoo assim como a IBM está para a Microsoft. Não entendeu? Eu explico:

Uma empresa enorme, IBM, oferece, alguns bilhões de caraminguás verdinhos por uma empresa, Sun, que vale bem menos do que isso. Semanas de negociações continuam e no final, o board de diretores recusa a oferta final de 7 bilhões de dólares.

O que parece ter acontecido é que os diretores não gostaram da queda de 15 centavos de dólar por ação e a recusa da IBM sobre algumas garantias pedidas, consideradas onerosas demais. Um dos exemplos citados no artigo é que os funcionários no topo da cadeia na Sun tem salários melhores que a IBM estaria disposta a pagar. Para aceitar, reduziram o preço da oferta.

O preço de fechamento da Sun na última sexta-feira foi de 8.49 dólares por ação, bem abaixo do que foi oferecido. E no momento da escrita desse artigo, ele despencou mais de 25% e estão sendo negociados entre 6.05 e 6.43 dólares por ação.


Com a queda, analistas acreditam que acionistas podem forçar a venda.
Então a situação fica assim: a Sun deixa de ser compra exclusiva da IBM e pode ser vendida para HP, Cisco ou qualquer um com o bolso cheio numa época de crédito escasso. E aí a empresa tem pelo menos dois problemas.

Com o encerramento das negociações, o preço caiu ainda mais. Um novo comprador que entrar nesse estágio, pode oferecer ainda menos pela empresa.

Além disso, em algumas semanas sairá o resultado fiscal e como todos estão cortando custos e segurando investimentos, um trimestre de vendas fracas significa ainda maior queda no valor de mercado.

Pode sobrar para o Free Open Source Software (FOSS)

Se a Sun não encontrar um modelo de negócios altamente viável, baseado em software livre, pode ter certeza que toda a filosofia vai para o ralo quando dezenas de milhares de pessoas forem demitidas. A Sun voltou seus negócios para utilizar software livre com um certo alarde e executivos questionam se é um modelo viável para a empresa.

Fonte: NYTimes, All Things Digital

Nota: Ninguém vive de filosofia. Não paga as contas nem enche barriga.Software livre não prega gratuidade, mesmo que seja opção de muitos fazê-lo.

relacionados


Comentários