Meio Bit » Baú » Mobile » Google finalmente derruba o Chrome to Phone do telhado

Google finalmente derruba o Chrome to Phone do telhado

Outros tempos: Chrome to Phone, solução que mandava links do desktop para visualização em smartphones Android é enfim descontinuada pelo Google

14/12/2015 às 13:31

chrome-to-phone

Sim, o ícone ainda exibia um Nexus One em toda a sua glória

Em 2010 o Google introduziu o Chrome to Phone, uma solução que visava unir o desktop e os smartphones Android de uma forma bem simples. Do lado do computador você mandava um link através de uma extensão instalada no Chrome, que era sincronizada com o app do robozinho.

Diferente do então rival Firefox Home a solução de Mountain View funcionava de modo conceitual. Se o link fosse um número de telefone, o app abria o discador. Um mapa com direções? Executava o Google Mapas. Vídeo do YouTube? Abria o app. Páginas da web eram normalmente exibidas no navegador, a saber o nativo do Android (o Chrome só chegou ao Android em 2012, junto com a versão de iOS que nunca teve a integração com a extensão de forma oficial).

TechCrunch — Chrome To Phone Demo

Numa época em que as conexões de dados eram limitadas, fazer isso para simplificar as coisas e diminuir o ato de buscar tudo o que se precisava quebrava o galho de meuita gente. Isso é, até o Chrome introduzir a opção de criar uma conta de usuário e sincronizar o histórico entre dispositivos. E depois que o Chrome chegou aos dispositivos móveis tal função se tornou obsoleta: muito mais fácil pesquisar por aquele link importante diretamente entre os vários registros de visitas ao Xvideos.

Por isso o Chrome to Phone se tornou um zumbi, sendo meramente mantido talvez por capricho ou para atender aqueles que ainda possuem conexões limitadas. Entretanto, como não faz sentido manter um serviço redundante no ar Mountain View enfim decidiu empurrá-lo ladeira abaixo.

O Chrome to Mobile, a extensão para desktop já havia sido desligada em janeiro, e agora o app para Android foi marcado como obsoleto na Play Store. Ele continuará a funcionar até 31 de março de 2016, e quem ainda o utiliza terá que arrumar um substituto até lá.

Enfim, mais um app indo para o cemitério do Google, que foi útil para muita gente e que de certa forma não fazia mais sentido num mundo (civilizado, não você Brasil) onde conexões de dados se tornaram melhores e mais velozes, por preços decentes.

Fonte: Android Police.

relacionados


Comentários