Meio Bit » Baú » Ciência » Brasil e Rússia podem cooperar em projeto sobre lixo espacial

Brasil e Rússia podem cooperar em projeto sobre lixo espacial

Brasil e Rússia em cooperação espacial, nós damos o terreno eles entram com a tecnologia, e agora Putin quer usar isso para rastrear lixo espacial. É uma boa idéia…

17/07/2015 às 14:01

p58fcqgmxzkqplg85wrx

Simplificando o sistema GPS funciona com um receptor recebendo dados de localização de pelo menos 2 satélites em órbita. O tempo de transmissão mais a posição de cada um permitem que com geometria básica você descubra sua posição. Quanto mais satélites melhor e mais precisa é a localização, claro.

Só que como o próprio satélite sabe a posição? Usa outro GPS? E ele não muda de lugar? A órbita é perfeita?

Seria, se a Terra fosse uma vaca esférica no vácuo, mas não é. A distribuição de massa não é uniforme, a gravidade varia de acordo com a região, se há montanhas muito densas, oceanos, regiões do manto com composição diferente… há até uma anomalia gravitacional em cima do Brasil, obviamente culpa do PT.

Veja um mapa com essas variações:

ggm01_asia_full

Ou seja: as órbitas não são 100% perfeitas e suaves, por menores que sejam essas variações acabam afetando a posição dos satélites, e tem outro pequeno detalhe: a Lua. Ela também interfere. Satélites precisam se reposicionar para compensar essas variações.

No caso dos GPS temos estações de monitoração em terra, com posição precisamente determinada, essas estações recebem e em alguns casos transmitem dados para os satélites, constantemente recalibrando a informação de onde eles estão. Todo sistema de satélites de posicionamento, seja GPS, GLONASS, GALILEO ou ou chinês que não estou com paciência de googlar funciona assim.

Aí entra o mimimi político. Países chilicam para permitir que estações de monitoração/controle sejam instaladas em seu território. EUA e Rússia agora estão brigados então nada de estações GLONASS em território americano ou GPS na Rússia. Sobra pro resto do mundo, e aí é na base da amizade.

SLR_Shelkovo

Estação GLONASS perto de Moscow.

A primeira estação GLONASS fora do território russo foi lançada em 2013, na Universidade de Brasília. Hoje são duas, a segunda inexplicavelmente fica do lado da primeira. Parece que o Putin quer mais.

Para nós, usuários, é excelente. chips modernos de geolocalização utilizam vários sistemas, mesmo que anunciem apenas como GPS. Mais sistemas, mais precisão e menos chance de parar em algum buraco quente por causa de indicação errada do celular.

Agora os russos querem cooperar com o Brasil em um projeto para identificar lixo espacial. Muito provavelmente será no mesmo modelo, a gente cede o terreno, eles constroem tudo e depois de prontos chamamos de “nosso” projeto.

A posição geográfica do Brasil é importante nesse caso, pois cobrimos uma boa faixa de latitudes, e os russos são carentes de aliados do Equador pra baixo. Estações de monitoração no território brasileiro ampliariam muito a área de cobertura, permitindo identificar e acompanhar mais objetos, como o satélite desativado que passou perto da Estação Espacial essa semana e fez todo mundo correr pras cápsulas de escape.

Ah sim, toda essa preocupação com o Espaço tem outro lado… também é muito útil ter mais estações de monitoramento de satélites norte-americanos e chineses, coisa que esse sistema fará muito bem também…

Fonte: GPS Daily.

Leia mais sobre: , , , .

relacionados


Comentários