Meio Bit » Arquivos » Robótica e IA » Descanse em Paz, Dário Almeida da Costa

Descanse em Paz, Dário Almeida da Costa

UAU GENTE QUE INCRÍVEL! Começou o Apocalipse Robótico, um robô na Alemanha, numa fábrica da Volkswagen MATOU um sujeito. Skylet ruleia! E a história ainda foi divulgada por uma jornalista chamada… Sarah Connor. Nerdgasm total, show de bola. Clique e leia mais sobre essa morte totalmente geek!

02/07/2015 às 1:26

Dário Almeida da Costa não era ninguém conhecido. Uma busca por seu nome retorna apenas duas páginas do Google, a maioria dos resultados um homônimo. Note, ele não era conhecido, não quer dizer que não fosse importante. Com 44 anos era o provedor de sua família, em Ribeirão das Neves, MG.

Dário trabalhava na Cerâmica Marbeth, uma empresa pequena porém limpinha. Não era nenhum executivo, coisa aliás que nem existe, a Cerâmica sequer tem site, mas é certificada pelo Inmetro. Nela nosso amigo fazia tijolos, e como uma tonelada deles, a tragédia se abateu sobre a Marbeth. 

Durante sua jornada diária Dario Almeida da Costa caiu na máquina de fazer tijolos, sendo prensado implacavelmente com a força de várias toneladas. A emergência foi chamada mas a parada cardíaca não foi revertida. Dario deu entrada no hospital já morto.

Isso aconteceu semana passada, mas você não soube disso. Nem eu. Quase ninguém de fora soube, não é importante no Grande Esquema Das Coisas, não é notícia. Não podemos culpar a mídia, todo ano há milhares de Darios pelo Brasil, se não cobramos treinamento e segurança no trabalho, não podemos cobrar as consequências de sua ausência.

O que podemos cobrar é uma mídia escandalosa que coloca o hype, a fome de clique na frente de tudo, e transforma um acidente industrial igual ao de Dário em algo fantástico, repleto de piadinhas, gracinhas com a Sarah Connor e tudo mais.

dirty_inks__nazi_robot_by_mattcrap

Não, um sujeito não foi morto por um robô na Alemanha. Eu sei, todo nerd sofreu uma rara ereção não-induzida pelo XVideos, prato cheio pra textos sobre Skynet, Apocalipse Robótico, Robôs-Nazistas, e convenhamos, uma Sarah Connor divulgando? FILÉ, mas o cara foi morto por uma máquina industrial, nada diferente de uma prensa, uma fresadeira ou um torno, se bem que tornos costumam no máximo arrancar dedos.

Não é. Robôs, principalmente industriais nada mais são que máquinas burras executando a mesma função de forma repetitiva. Um sujeito morto por um robô industrial não é NADA diferente de um sujeito morto por uma prensa de tijolos. Circunstâncias colocaram o sujeito no lugar errado na hora errada. O operário não-identificado entrou na área de atuação de uma máquina industrial, e pagou o preço. Não foi nada pessoal.

A prensa de tijolos tem medidas de segurança, mas não são perfeitas. O robô tem um monte de medidas de segurança também, inclusive uma jaula para que ninguém chegue perto. Mas não são perfeitas. O cidadão em questão estava instalando o robô, ele foi acionado antes do tempo, tentou prensar e soldar a chapa, mas acabou agarrando o funcionário. The End.

Clélio Prodócimo, de 55 anos também morreu assim. Ele tentava desobstruir um moedor de carne gigante, em uma fábrica de ração em Antônia Prado, RS, quando uma colega (colegona!) sem querer ligou a máquina. Mas quem se importa? Isso foi 2 de janeiro, e não envolve robôs.

relacionados


Comentários