Meio Bit » Baú » Áudio e vídeo » Eternify: por isso não podemos ter coisas legais

Eternify: por isso não podemos ter coisas legais

Não, não podemos ter coisas legais. Um grupo de espertos lançou Eternify, um site para ficar tocando em loop músicas do Spotify, para “gerar dinheiro” para sua banda preferida.

25/06/2015 às 9:01

18b

O maior problema do esperto é achar que todo mundo é otário. Daí a divertidíssima situação de gente chilicando nos fóruns do AdSense, quando o plano genial de montar um blog, passar o dia clicando nos próprios anúncios e ficar rico não deu certo.

É um conceito econômico, as pessoas sempre escolhem o caminho mais fácil. Isso é esquecido toda semana quando governantes lançam campanhas de comprar ratos e outras pragas. No final a população descobre que criar ratos é mais barato do que sair pra caçar.

A esperteza da vez é com o Spotify. Os artistas são remunerados a cada reprodução de suas músicas, o que é ótimo, mas um pessoal resolveu quebrar o brinquedo, com um site chamado Eternify.

O negócio basicamente permite que você escolha um artista, um álbum e então ele começa a tocar as músicas. Até aí tudo bem, certo?

safadeza

Errado. A cada 30 segundos o site troca de música, você dá mute na tab e deixa rolando, sem abrir o Spotify, sem exibir os anúncios, só comendo recursos enquanto “gera dinheiro” pro artista.

A esperteza não é única, um tempo atrás uma tal de banda Vulfpeck (e eu achava a Fly desconhecida) lançou um álbum onde todas as trilhas eram… silêncio. Fizeram uma campanha entre os fãs e faturaram US$ 20 mil, até o Spotify perceber e cortar a gracinha.

Resta saber quantos dias o Eternify ficará no ar antes do machado descer.

Não que esse tipo de picaretagem seja novidade. O internacionalmente respeitado John Cage compôs uma sinfonia chamada 4′33″, uma das maiores trollagens da História da Arte. Consiste em 4 minutos e 33 segundos de… silêncio. A punheta, digo, justificativa é que todos os sons são música, que a platéia com seus sons incidentais criarão uma obra única durante aquele tempo e… — sim, é punheta artística.

Duvida? Veja uma das muitas performances dessa picaretagem. As pessoas pagaram pra assistir isso, e ainda aplaudem no final.


Jürgen M. Brandtner — John Cage - 4′33″

Ou seja: gente tentando macetear o sistema não é novidade, a diferença é que se você for bem-sucedido, é artista, se for desmascarado cedo demais, é picareta.

Fonte: The Verge.

relacionados


Comentários