Meio Bit » Baú » Mobile » O Robô maconheiro da Deep Web ou: Age Of Bender

O Robô maconheiro da Deep Web ou: Age Of Bender

Só podia ser coisa de artista. Os caras criaram um robô, deram uma grana e soltaram na Deep Web. Ele começou a comprar coisas aleatoriamente e mandar entregar na galeria de arte. Problema: ele comprou dorgas, e os puliça viram.

27/04/2015 às 19:22

Bender-Futurama-21

Isaac Asimov em suas histórias adorava imaginar mundos onde robôs inteligentes e autônomos explorariam as fronteiras da Lei, da Ética e da Humanidade. Quando alguém é atropelado o carro não tem culpa nem isenta o dono, mas em que momento um robô, decidindo por conta própria passaria a ser responsável por seus atos? Ou seria sempre o fabricante?

Essa questão foi colocada à prova pelo !Mediengruppe Bitnik, um grupo de artistas na Suíça. Os caras criaram um robô em software para explorar a Deep Web, rodar pelas lojas do Ágora, um dos mercados altamente suspeitos, e fazer compras aleatórias.

Com uma verba de US$ 100,00 em bitcoins por semana, o robô Random Darknet Shopper ia às compras, e logo — já que não usam os Correios brasileiros — as encomendas começaram a chegar. Sim, por incrível que pareça há casos onde você compra algo na Deep Web, e entregam. Vejam o resultado parcial:

102604469-Robot_drugs.530x298

O robô comprou:

  • pílulas de Ecstasy
  • um passaporte húngaro
  • boné de baseball com câmera
  • jeans Diesel falsificados
  • tênis da Nike
  • cigarros
  • e-books do Senhor dos Anéis
  • uma lata de Sprite com um compartimento secreto pra guardar dinheiro

·
A polícia não ficou feliz, e confiscou a muamba. O endereço de entrega era uma galeria de arte, onde os itens eram arrumados numa exposição. Isso foi em janeiro. Em março o robô e os itens foram devolvidos aos legítimos donos (menos o Ecstasy, claro).

dzcA9bTTn4o

Não havia precedente para compras feitas aleatoriamente por um robô, e era evidente que a compra não foi feita com intenção de uso ou de venda. O grupo ficou bem feliz, disseram que foi um grande dia para eles, para o robô e para a liberdade na arte.

Claro, aqui não iria dar muito certo, até explicar que não é bem assim o robô já estaria na caçamba da PATAMO, levando umas coças.

Leia mais sobre: , , , , , .

relacionados


Comentários