Meio Bit » Baú » Internet » Francês leva Facebook pro pau: liberdade para as PPKs

Francês leva Facebook pro pau: liberdade para as PPKs

Quem diria, uma vitória francesa que não foi… ok, uma vitória francesa. Um sujeito postou uma pintura clássica no Facebook, o estagiário do Mark achou pornográfica, apagou e baniu o cara. Ele não gostou, foi pro pau e agora a briga está nos tribunais da França.

11/03/2015 às 0:02

bombril

Você vai entender.

A diferença entre arte e pornografia algumas vezes se resume a orçamento e tempo de publicação. Mesmo os catecismos do Carlos Zéfiro (pergunte a seu avô) se tornaram cult e capa de disco da Marisa Monte. Há coisas que são basicamente lixo, não merecem ser classificadas de pornografia, como 50 Tons de Cinza, outras incomodam instigam, mexem e fazem pensar. Se tornam arte.

A pintura L'Origine du Monde, de Gustave Courbet é exemplo disso. Para muitos é a claudiaohanização da arte, mas em 1866 foi um ataque à idealização do nu feminino, combatendo as ninfas perfeitas com a imagem de uma mulher real (real demais, era amante de um amigo dele) deitada, com a genitália desnuda em destaque, como você pode ver no link no começo do parágrafo. Você não clicou, né? Ops.

Avaliada em muitos milhões de dólares, a pintura de Courbet é indiscutivelmente arte. Mas não para o Facebook, como descobriu Frédéric Durand-Baissas. Ele postou uma reprodução da pintura. O estagiário do Facebook soltou o clássico “achei ofensivo, apago” e em seguida bloquearam a conta de Frédéric, que em uma atitude muito pouco francesa não se rendeu, chamou um advogado e falou “vamos pro le pau”.

Monty-Python-and-the-Holy-Grail-French-taunter

O Facebook por sua vez tentou desqualificar a ação dizendo que a Corte francesa não era competente para julgar o caso, pois o contrato de adesão do Facebook estipulava que disputas seriam resolvidas em cortes norte-americanas. Isso não é algo que se diga a um juiz, mas o advogado do Facebook não deixa caca pela metade, e completou argumentando que como o serviço é gratuito as Leis de Defesa do Consumidor francesas não se aplicam.

O tribunal discordou, disse que a Lei se aplica sim, o caso tem mérito e vai a julgamento.

Monsieur Durand-Baissas considera a decisão uma “Vitoria Real”, e está exigindo 20 mil euros e a reativação de sua conta.

Pode ser que isso gere toda uma moda de pornografia vintage, ou — pior ainda — que as pessoas agora tenham que explicar pra crianças que o corpo humano é retratado por artistas desde antes da invenção do XVideos. De qualquer jeito, é um gesto de protesto, um pequeno mas significativo ato contra a infantilização do mundo, onde adultos precisam se comportar no Facebook de forma a não ofender a sensibilidade de inocentes floquinhos de 13 anos que passam a noite no Chaturbate.

Fonte: Telegraph.

Leia mais sobre: , .

relacionados


Comentários