Meio Bit » Baú » Fotografia » Beyoncé, o Photoshop e a inocência das pessoas

Beyoncé, o Photoshop e a inocência das pessoas

Fotos de Beyoncé sem retoques digitais aparecem na internet e provocam os velhos debates de sempre em relação ao uso do Photoshop.

20/02/2015 às 13:14

beyonce_sem_retoque

Depois de 15 anos fazendo ensaios fotográficos de mulheres, fica apenas uma certeza: ninguém é perfeito. Tirando a psicologia feminina que as fazem acreditar que nada está bom, mesmo estando, também tenho o meu olhar crítico. Pessoas possuem pequenos defeitos, seja de pele, postura, desproporção dos olhos ou qualquer outra coisa, mas que no fim nos definem. Ou seja, até nossos pequenos defeitos fazem parte da beleza do conjunto. Dito isso, fico cada vez mais surpreso com as polêmicas envolvendo celebridades quando fotos sem retoque digital acabam por “vazar” na internet. A bola da vez é a cantora Beyoncé, que teve fotos sem retoques digitais reveladas ao público.

As fotos, que supostamente foram feitas em 2013 para uma campanha da marca de cosméticos L’Oréal, parecem realmente parte de uma sessão publicitária, e mostram o rosto da cantora com as mesmas marcas que encontramos no rosto de qualquer mulher normal. Claro que a reação da internet, principalmente no Twitter, foi devastadora. Várias críticas, zoações, fãs defendendo que as fotos são falsas e o retorno da velha discussão sobre os malefícios do uso do photoshop em campanhas publicitárias. Devemos então levar alguns pontos em conta para poder trabalhar de maneira satisfatória essa questão.

O primeiro ponto é que toda imagem é formada por três estágios. O primeiro é a imagem que formamos em nossa mente (fase de planejamento). O segundo estágio é quando efetivamente acionamos o botão disparador de nossa câmera (o ato de fotografar). E o terceiro estágio é a pós-produção da imagem. Toda imagem precisa de pós-produção? Alguns vão dizer que não, mas ajustes são sempre necessários para potencializar o impacto de sua imagem se mostrando parte importante da finalização do trabalho. Uns dizem que não gostam de fazer, mas na realidade apenas não sabem. Ou seja, o mimimi do uso do Photoshop (ou qualquer outro programa de edição) é praticado por quem não sabe como a coisa funciona. Só deixando uma pequena observação: a pós produção não salva uma foto ruim. Um diamante lapidado se torna uma joia. Um paralelepípedo será sempre um paralelepípedo.

Segunda questão. Fotografia não representa a realidade. Quanto mais cedo vocês perceberem isso, mais cedo vão ser felizes. E nem vou entrar aqui na questão do uso ideológico da imagem fotográfica. Como dizia o grande mestre José Medeiros: “Fotografia é aquilo que vemos. Porém, aquilo que vemos depende de quem somos” (todo fotógrafo deveria ter isso tatuado no braço para nunca se esquecer). Levando isso para a publicidade, não só as pessoas ficam mais bonitas para vender um produto, mas os carros ficam mais legais, casas ficam mais espaçosas e até fast food fica saborosa. Se levarmos o mimimi da manipulação digital a sério, quase toda prática de publicidade está errada.

E esse é, justamente, o terceiro ponto. Estamos em 2015 e a tecnologia não é mais segredo para ninguém. Porém, olhamos para uma peça publicitária onde as modelos possuem pele de silicone e achamos que (sim, alguns acham) aquilo é real. É esta inocência do consumidor que leva grupos a pedirem que o uso de manipulação digital nas imagens publicitárias seja controlado, ou que venham com um selo indicando que aquilo não é real. Só o fato de você nunca ter visto pessoalmente uma pessoa com aquela perfeição estética já deveria ser o suficiente para mostrar que existe algo errado. Ou vocês acham que isso aqui tem a menor condição de ser real?

Eu prefiro as pessoas ao natural. Como disse no começo do texto nossos defeitos fazem parte da beleza do conjunto. Mas, a publicidade existe para vender sonhos e não a realidade. Concordo que acreditar na ilusão pode causar problemas, como o crescimento da bulimia entre adolescentes que querem alcançar um ideal de beleza que não existe, mas o problema principal não é a publicidade, e sim as pessoas acreditarem que aquilo é real. Por fim, a maioria das pessoas que foram ao Twitter com a bandeira da revolta estavam apenas querendo descontar suas frustrações do dia a dia fazendo críticas a uma pessoa que não está nem sabendo que elas existem. A velha mídia das celebridades.

P.S.: o caso foi tão criticado que o site Beyonce Pictures, primeiro local onde as fotos aparecerem, retirou o post do ar e deixou apenas um pedido de desculpas dizendo que não esperavam a avalanche de agressões que aconteceram. Eles queriam apenas mostrar como a cantora é bonita, mesmo ao natural. E eu concordo plenamente com essa parte.

relacionados


Comentários