Meio Bit » Baú » Games » Molyneux nos ensina a como não tratar o consumidor

Molyneux nos ensina a como não tratar o consumidor

Após prometer o mundo (virtual) para o vencedor do Curiosity, estúdio de Peter Molyneux ignorou o rapaz e nos deu uma bela lição sobre como não tratar os consumidores.

13/02/2015 às 13:02

godus

Por se tratar de alguém que não costuma cumprir suas promessas e que se transformou em uma das figuras mais achincalhadas da indústria, o título deste post pode ser um tanto óbvio, mas com o seu último projeto, o Godus, Peter Molyneux tem se superado a cada dia.

De possível renascimento do gênero God Game a um projeto que chegou a ser criticado publicamente por um de seus funcionários, o jogo tem colecionado situações constrangedoras, mas o ápice pode ter sido um artigo publicado pelo Eurogamer. Nele o autor foi atrás de Bryan Henderson, aquele rapaz que ficou famoso por ter “vencido” o jogo Curiosity em 2013 e a conversa com ele mostra como o game designer parece fazer questão de queimar uma imagem que ainda podia ser boa para alguns (eu incluso).

Caso não lembre, o Curiosity foi um experimento social proposto pelo estúdio de Molyneux e que prometia uma grande surpresa no seu final. Por ter sido aquele a abrir a última parte do cubo, Henderson recebeu um email do britânico dizendo que ele havia ganho a oportunidade de se tornar um deus no futuro jogo e além de ter o poder de tomar decisões que mudariam o mundo virtual que a 22Cans estava criando, o felizardo ainda teria direito a parte do lucro. Porém, passados 18 meses desde o evento, nada disso se tornou realidade.

Bryan-Henderson

Após um mês ou dois de ter vencido, tive que mandar e-mails para eles todos os meses, simplesmente porque esperava mais comunicação da parte deles, mas isso não aconteceu,” afirmou o sujeito que ganhou, mas não levou. “Gostaria de perguntar, então, o que aconteceu? Quando descobrirei mais coisas? O que acontecerá, especificamente?

Por já ter se passado tanto tempo e depois de lhes enviar tantos emails, Henderson cansou da brincadeira, tendo dito que o estúdio não foi profissional e que não tentará mais um contato. Além disso, ele afirmou que não conta com o dinheiro que lhe foi prometido e que na verdade nem chega a pensar no dia em que foi apontado como o vencedor do Curiosity.

Contudo, a coisa fica ainda pior quando conhecemos o posicionamento de Peter Molyneux sobre o caso, veja só:

Isso é muito ruim, não é?” questionou o game designer, certamente com seu característico sotaque inglês blasé emoldurado por uma bela cara de pau. “Ele deveria ter um contato aqui. É muito vulgar para nós não mantê-lo informado.

Eu totalmente, absolutamente e categoricamente peço desculpas. Isso não é o suficiente e assumo a responsabilidade porque deveria ter me certificada de nos comunicarmos com ele. A partir de hoje iremos fazer isso.”

Então, para mostrar que eles não estavam dando a mínima para o rapaz, Molyneux disse que é fácil esquecer coisas quando elas estão mais para baixo numa lista de prioridades e embora tenha dito que falará ele mesmo com Bryan Henderson, na minha opinião esta foi uma bela demonstração de como não lidar com seus consumidores e de como não gerenciar seu pequeno e com todo o respeito, pelo menos por enquanto insignificante estúdio.

Como ficar rico graças ao Godus parece cada vez mais difícil, para Henderson fica o consolo de ser homenageado pelos criadores do Olli Olli no seu novo jogo, o Not A Hero, quando o garoto aparecerá como um personagem e quem sabe isso sirva para ensinar uma coisinha ou outra para Peter Molyneux .

Roll7 — Bryan Henderson Is A God In NOT A HERO!

Fonte: GameInformer.

Leia mais sobre: , , , .

relacionados


Comentários