Meio Bit » Arquivos » Ciência » Opportunity está falhando, mas não tema com a NASA não há problema

Opportunity está falhando, mas não tema com a NASA não há problema

Depois de 11 anos em Marte a Opportunity começou a dar alteração. Bugs intermitentes a estão impedindo de usar memória flash. Para resolver isso a NASA está preparando um bacalhau de fazer inveja a qualquer programador.

02/01/2015 às 10:12

spiro

Em 4 de janeiro de 2004 pousou em Marte o Spirit, um robozinho de 185 kg. Duas semanas depois seu gêmeo, Opportunity, também colocou os pés (ok, as rodas) no planeta vermelho. 90 dias marcianos depois a missão primária de ambas foi cumprida, todas as metas atingidas, gerando toneladas de ciências e imagens magníficas:

PIA18393-MAIN_Sol3663B_Pillinger_Point_L257atc

Clique aqui para engrandalhecer. Muito.

Como os robozinhos continuavam funcionando mesmo tempo passado a vida projetada, a NASA prosseguiu com a missão. Ambas continuaram firmes e fortes, até que em 1/5/2009, 21,6 vezes a duração da missão original, o Spirit atolou em areia fofa e não conseguiu sair.

A NASA tentou de tudo mas ele são se desatolou. Decidiram que o Spirit seria uma estação científica fixa, e assim foi até 22/3/2010, quando perderam contato. O implacável inverno marciano, a poeira acumulada nos coletores solares e a ausência de ventos para limpá-los fez com que o bichinho entrasse em hibernação permanente, sem energia para aquecer os circuitos e ao mesmo tempo alimentar o computador.

O pequeno robô, depois de cumprir muito mais do que qualquer um esperava, permanece adormecido na paisagem marciana, até o dia em que for recolhido e colocado em lugar de honra em um museu.

Seu irmão deu mais sorte, continua firme e forte, 3.994 dias em solo marciano, enfrentando tempestades de areia e mini-tornados, como este fotografado pela Spirit.

Mini-tornado marciano

Agora o Opportunity está com um problema sério. Embora fisicamente esteja bem, seu cérebro está falhando. Normalmente durante a noite o robozinho transfere para a memória flash os dados coletados durante o dia, mantendo a CPU no mínimo, enquanto “dorme”, usando as baterias para manter os circuitos aquecidos. Na região onde ele está o Opportunity enfrenta temperaturas que podem ir de 30 ºC no verão a -110 ºC no inverno. Com a atmosfera rarefeita a variação térmica é muito grande, mesmo em um único dia.

Em um desses ciclos de sono a NASA descobriu que o Opportunity não havia transmitido nada. Os dados não existiam mais na memória flash. Usando de décadas de experiência, algumas das mentes mais inteligentes do planeta e os mais avançados sistemas de diagnóstico da indústria da computação, o pessoal do Jet Propulsion Lab tentou a solução mais adequada:

Formataram a memória flash.

roy

O problema voltou a aparecer.

O Opportunity chegou a resetar algumas vezes, durante uma das janelas de comunicação não enviou seu sinal habitual e só respondeu depois de várias redundâncias acionadas. O diagnóstico da NASA é que ele estava tentando gravar dados em Flash, não conseguindo e por isso condenou o dispositivo de armazenamento inteiro.

Isso significa que o Opportunity não tem mais memória permanente. Instruções de navegação terão que ser reenvidas a cada dia, dados científicos transferidos antes que o Sol se ponha, mas talvez haja uma saída.

Depois de muito fuçar as falhas de gravação descobriram que a memória flash não-confiável está em um banco isolado, e não espalhada entre os sete utilizados pelo computador do robô. A culpa do defeito pode ser radiação, um raio cósmico especialmente energético, ou apenas desgaste natural da memória flash, que tem uma vida limitada de leituras e gravações, e convenhamos o bicho foi projetado para durar 3 meses, está rodando tem 11 anos.

Por enquanto ele está operando sem flash, o que nunca foi problema para os iPhones. Enquanto isso os hackers da NASA estão criando um bacalhau que fará com que o sistema operacional do Opportunity isole os endereços de memória associados ao chip defeituoso.

PIA15279_3rovers-stand_D2011_1215_D521_br2

Sojourner, Opportunity e Curiosity, no terreno onde a NASA falsifica, digo, simula Marte.

Como esse é o tipo de hack que cai na categoria Magia Negra, e o hardware em questão está a 16 minutos-luz de distância, ou 295,4 milhões de quilômetros, mandar um estagiário apertar o reset caso dê pau na atualização não é uma opção.

Ninguém está com pressa. Os ventos estão limpando os painéis solares, as baterias estão em boas condições, não há razão para apressar o conserto. Só depois de tudo testado até não poder mais nos simuladores e réplicas do Opportunity em Terra é que irão subir o patch, em um momento de tensão que só quem já atualizou o firmware de um Nokia antigo sabe como é.

Fonte: NASA.

P.S.: os emblemas são reais.

Leia também:

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários