Meio Bit » Arquivos » Mobile » ANAC afrouxa restrições para uso de eletrônicos em aviões

ANAC afrouxa restrições para uso de eletrônicos em aviões

Quem diria, em breve você não será mais visto como terrorista se puxar um Kindle e tentar ler um livro enquanto espera os 343.412 vôos na frente do seu decolarem. A ANAC soltou uma portaria afrouxando as restrições no uso de equipamentos eletrônicos em aeronaves.

30/10/2014 às 23:14

plane-wi-fi-640x478

A proliferação de aparelhos eletrônicos entre as pessoas comuns causou várias mudanças na aviação, e embora Wi-Fi e celular não derrubem aviões, é preciso testar e certificar as aeronaves. Trabalhando sempre na margem de segurança, as empresas e os órgãos reguladores criaram regras rígidas. Dependendo da empresa tecnicamente nem em modo avião celular pode ser usado no avião. Já tomei esporro por usar um Kindle. A única aeromoça do Brasil que leva a sério essas regulamentações me fez passar 40 min lendo revista de bordo, que é a forma vegan homeopática sem glúten do jornalismo.

No outro lado o uso de gadgets fez com que as empresas simplesmente parassem de investir em centrais de entretenimento. Daquela parafernalha parafernália toda da Avianca o mais útil é a tomada USB e a tomada de força debaixo do assento, que você não sabia que existia, acertei? Episódios velhos de seriados cheios de comerciais ninguém merece, e os "jogos" que oferecem? Pfft.

Nos EUA a United está estudando formas de transformar a mesinha de refeições em suporte para tablets. No Brasil a TAM tem aviões com conectividade celular, mas você precisa deixar sua mãe como parte do pagamento. A menos que você seja Bruce Wayne. Porque sabem que você tem dinheiro. Não por outro motivo, seu maldoso. A Gol tem HotSpots e uma intranet com conteúdo, para quem quiser brincar durante o vôo.

No meu caso não é de hoje que prefiro a Solução McGyver:

402356427_649dc4066e_b

Funciona assim: se um avião pode cair por causa de um iPod, ele MERECE cair.

Agora a ANAC resolveu o grande problema: a obrigação de não acessar nada durante 90% do tempo, no caso da Ponte Aérea. Uma resolução publicada no Diário Oficial permite que as empresas solicitem à ANAC permissão para permitir (estranho mas é assim mesmo) uso de eletrônicos por exemplo entre o pouso e a chegada no terminal (todo mundo liga o celular anyway) e até durante a decolagem, ou pelo menos até o avião começar a taxiar.

Quem viaja frequentemente já passou mais de uma vez meia-hora parado no terminal aguardando a fila, sem ter nada para ler além da 874.234.923.889ª reportagem de praias maravilhosas em Pernambuco e o 19.193.921.329º restaurante descoladinho na cidadezinha de Minas que só o ator da Globo da moda conhece.

Quanto ao pessoal preocupado com o inferno de todo mundo falando ao celular, acordem, estamos em 2014, ninguém mais usa voz. Antes das portas fecharem o avião não se parece com o Pregão da Bolsa. O que vai acontecer é mais gente lendo livros, vendo filmes, jogando joguinhos e escutando música. No máximo você terá que aturar um funkeiro do seu lado, sem fone de ouvido, mas pra isso Allah inventou o colete de explosivos.

Fonte: OD.

Leia mais sobre: , , , .

relacionados


Comentários