Meio Bit » Baú » Ciência » Artistas de Calgary, Arquitetos londrinos e o Sol, esse incompreendido

Artistas de Calgary, Arquitetos londrinos e o Sol, esse incompreendido

O Sol não serve só para causar câncer e atrapalhar nossa vida com horário de verão. Serve para derreter carros e incendiar canadenses. Como? Clique e descubra.

11/10/2014 às 17:30

Giant_prominence_on_the_sun_erupted

Anualmente a Terra é irradiada com aproximadamente 174 petawatts de energia. 30% disso é refletido de volta pro espaço, o resto é absorvido pelos oceanos e continentes, plantas e gente que ignora os conselhos do Pedro Bial. Em última essência quando degustamos um delicioso filé estamos comendo o produto final de energia solar.

Dessa energia toda a que pode ser potencialmente aproveitada para uso direto equivale a 23 mil terawatts. Isso é muito mais do que a capacidade potencial de todas as outras formas, combinadas. E muuuuito além do consumo atual. A Humanidade gasta 19 terawatts.

Com tudo isso a imagem que se tem de energia solar é algo benigno e bonzinho, inofensivo como um dia na praia, mas não é assim. As pessoas tendem a ignorar o Sol, lembrando apenas de não olhar direto pra ele, mas um metro quadrado de chão recebe 1,4 kW de energia. Com aproveitamento de 100% daria pra iluminar sua casa com 14 lâmpadas de 100 watts só não faria sentido por estar de dia.

Quer ver como essa energia pode ser aproveitada com eficiência, e como um simples dia de Sol é sinistro?

O nome do brinquedo é Lente Fresnel, criada no Século XVIII para equipar faróis. Em essência é uma lente como qualquer outra, mas muito fina. Ela se comporta como um conjunto tradicional mas hoje em dia é feita até de plástico, e tem um monte de utilidades. Uma delas são os fornos solares, outra é… derreter coisas. Uma simples lente Fresnel em um dia de Sol aquele seu ponto focal a mais de 2 mil graus Celsius. Veja que brinquedo legal:

GreenPowerScience — Fresnel Lens Solar Foundry Obsidian Farm 3800 ˚F 2100 ˚C Fresnel Optics

É de se imaginar que esse poder da energia solar seja conhecido de qualquer um que trabalhe em áreas de ciência e tecnologia, mas não foi o que descobriu um sujeito chamado Martin Lindsay. Ele voltou do trabalho só para descobrir seu lindo Jaguar assim:

_69606115_69601806

Não é um amassado, é um derretido. Aparentemente um prédio próximo refletiu a luz do Sol (em Londres, olha o azar) e ele estava estacionado no lugar errado na hora errada. Partes da carroceria, o retrovisor e o emblema da Jaguar foram deformados pelo calor.

Absurdamente civilizados como são os britânicos, o carro de Martin já estava com um aviso da construtora pedindo desculpas e pedindo para entrar em contato. Os danos foram pagos, claro.

Já em Calgary não são carros em risco, mas pessoas. A culpada é a escultura abaixo, instalada no insuportavelmente canadense “Centro Gênsesis de Bem-Estar Comunitário”:

9017036

Essa bodega custou CAD$ 559 mil e você deveria entrar na escultura, mandar um SMS e uma série de efeitos de som e luz seriam gerados, específicos para você, só que algum bug fazia a mesma sequência ser repetida. Pra piorar outro dia um sujeito entrou, começou a mandar o SMS quando reparou que o casaco estava esquentando e fazendo “ssssssss”. Vou dar uma dica sobre o que aconteceu: a tal escultura é composta de dois hemisférios ocos, de 5 m de altura.

Já isto aqui é um forno solar, que concentra a luz refletida no interior do hemisfério em um ponto focal:

large_solar_cooker

Qualquer semelhança, é o mesmo princípio científico. O tal artista canadense sem-querer criou um forno solar de assar gente, equipamento que não faz muito sentido hoje em dia.

A Presidente do Centro, Carol Steiner, não gostou nada. Professora de Geografia, ela reclama que os responsáveis pela obra deveriam ter levado em conta latitude, longitude e a posição do Sol. Ferramentas de empresas como a Autodesk renderizam corretamente a posição do Sol nesse tipo de projeto, mas eu realmente não sei se calculam incidência de energia por metro quadrado.

Agora não sabem o que fazer: a escultura é grande demais para ficar dentro do prédio. O artista vai tentar consertar, mas não há garantias. A única certeza, confirmada por Carol, é que Canadá sendo Canadá ressarciram o sujeito pelo casaco queimado.

Portanto, meninos e meninas pinguins roxos, fikadika: quando construírem projetarem planejarem algo, levem em conta o Sol. Não custa nada. No mínimo você economiza uma grana em filtro solar.

Leia mais sobre: , , , , , .

relacionados


Comentários