Meio Bit » Baú » Indústria » Novo conceito para reator de fusão pode ser mais barato que termelétricas

Novo conceito para reator de fusão pode ser mais barato que termelétricas

Engenheiros desenvolveram um conceito para um reator de fusão nuclear que, quando escalado para o tamanho aproximado de uma usina termelétrica atual, pode rivalizar em termos de custo e capacidade energética sem o impacto ambiental do gás natural ou carvão mineral.

10/10/2014 às 9:15

141008131156-large

O experimento atual da Universidade de Washington tem aproximadamente 1/10 do tamanho do projeto final.

Energia de fusão nuclear parece até bom demais pra ser verdade, nenhuma emissão de gases prejudiciais ao meio ambiente, praticamente nenhum resíduo radioativo e um suplemento ilimitado de combustível.

Provavelmente o maior problema da fusão nuclear é que ela custa toneladas de dinheiro para ser produzida (além de alguns detalhes técnicos complicadinhos). A energia vinda da fusão simplesmente não é economicamente viável para se sobrepor aquela gerada através de combustíveis fósseis, como nas termelétricas tocadas a gás natural ou carvão mineral.

Os engenheiros da Universidade de Washington acham que podem ajudar. Eles criaram um conceito (não são designers Cardoso, são engenheiros, eles podem?) de reator por fusão que, quando construído na escala de uma grande usina elétrica, terá praticamente os mesmos custos do que uma usina termelétrica movida a carvão, com a mesma capacidade energética.

A equipe publicou seu projeto e a análise de custos e deverá apresentar o mesmo para a Agência Internacional de Energia Atômica dia 17 de outubro na Rússia.

O projeto chamado Dynomak, que começou há dois anos como um projeto de graduação, é baseado em tecnologia já existente e cria um campo magnético fechado para manter o plasma no lugar tempo o suficiente para que a fusão ocorra, permitindo que o plasma reaja e queime. O reator em si seria auto-sustentável, quer dizer, ele poderia manter continuamente as condições para que a fusão continuasse acontecendo. O calor seria então usado para aquecer água e mover uma turbina para gerar eletricidade, muito semelhante a qualquer outra usina elétrica atual.

A solução pensada por eles é muito mais elegante pois ela gera a maior parte do campo magnético necessário guiando as correntes elétricas diretamente para dentro do plasma. Isso reduz a quantidade de material necessário e permite inclusive que o reator seja menor. Se comparado aos outros reatores experimentais, como o que existe na França hoje, o novo projeto é muito mais barato, cerca de um décimo do custo e gera muito mais energia, em torno de cinco vezes mais.

O protótipo que eles construíram tem um décimo do tamanho normal que o reator deverá ter, mas foi capaz de sustentar todas as reações esperadas. Conforme eles expandirem o projeto, o que deve demorar alguns anos ainda, eles esperam poder aumentar a produtividade de energia de forma significativa. A equipe já pediu o registro das patentes envolvidas no projeto e espera continuar aumentando a escala dos próximos protótipos até chegar ao modelo final.

Fonte: SD.

relacionados


Comentários