Meio Bit » Baú » Ciência » Salve o planeta, compre um Lamborghini

Salve o planeta, compre um Lamborghini

Boas novas, pessoal: agora dá para salvar o planeta sem ter que andar de Prius. A Lamborghini apresentou um carro-conceito que além de performance de supercarro tem números de consumo e emissões que humilham até um Uno Mille…

08/10/2014 às 8:19

Lamborghini-Asterion-LPI-910-4-Paris

Lamborghini Asterion — mais ecológico do que aquela porcaria que você dirige

Os leitores do MeioBit sabem que eu desprezo profundamente “designers” e seus “produtos-conceito”, por não respeitarem coisas como Leis da Física e Bom-Senso. Do outro lado temos os profissionais que criam carros-conceito, que ao contrário das elocubrações onano-masturbatórias dos “designers”, existem.

O carro-conceito é um veículo criado em geral para demonstrar que uma idéia é viável do ponto de vista de engenharia, mesmo que não economicamente. No caso do Lamborghini Asterion LPI-910-4, o objetivo era descobrir se a empresa era capaz de criar um veículo híbrido, com baixa emissão, ecologicamente correto mas que não abrisse mão da performance, do luxo e da tecnologia dos carros associados com o touro dourado.

A proposta é ousada, já que a idéia de todo mundo do que seria um híbrido é aquela bosta do Prius, que não anda, se arrasta. Mesmo ele para ecochatos que odeiam tudo que é bom e divertido mesmo o Prius é exagerado, preferem o Nissan Leaf ou aquela desgraça do carro do Google. Teslas? Não, parecem e se comportam demais como carros normais, e o Tesla Roadster é perigosamente divertido de se dirigir. Carros devem ser uma punição aos capitalistas egoístas que se recusam a andar de ônibus.

Bem, não o Asterion.

Essa maravilha tecnológica vem com um motor a gasolina V10 5,2 litros e TRÊS motores elétricos. Só o V10 tem potência de 610 hp. Ele cuida da tração traseira. Em conjunto com os dois motores elétricos que comandam as rodas da frente, ele chega a um total de 910 hp, haja impressora.

Motor Authority — Lamborghini Asterion Concept: 2014 Paris Auto Show

Para comparar um Uno Mille Economy 1,0 L rasteja com 65 hp.

“Ah, mas e as emissões de carbono, e as foquinhas, e o consumo?”

Funciona assim, caro eco-desesperado: o Asterion tem três modos de operação:

1 — 100% elétrico emissão zero — as baterias, com autonomia de 50 km alimentam os motores das rodas da frente. Ele se torna um carro elétrico de tração dianteira, com 50 km de autonomia. Velocidade máxima, 125 km/h.

2 — modo híbrido — o motor V10 é usado para acionar o gerador, carregar as baterias E alimentar os motores elétricos

3 — modo POWERR! — o V10 gera potência para as rodas da frente E torque para a tração traseira. O Lambo agora faz o a 100 em 3,0 segundos. A potência equivalente a QUINZE Fiats impulsionando esse bólido azul a 320 km/h.

“Ah, mas e o consumo?”

O Lamborghini Asterion faz 24,3 km/Litro. O nosso querido Fiat? 11,1 km/L na cidade, 15,6 km/L na estrada.

Se você carregar as baterias de noite usando a tomada da garagem, os primeiros 50 km saem com consumo zero de gasolina.

Em termos de emissão de CO2 a coisa fica mais feia ainda. O Asterior, que equivale a 15 Fiats emite 98 g/km. O Uno Economy, o carro menos poluente do Brasil se é que dá pra chamar aquilo de carro, emite 52,3 g/km. (fonte)

Ou seja: um supercarro com emissões de CO2 equivalentes às de uma Parati 1,6 L; mas com performance de supercarro, fazendo de 0 a 100 km/h em 3 s. Não dá para comparar com o Uno, ainda estamos esperando ele acelerar.

Esses números são mais um prego no caixão da Fórmula Enceradeira. O Asterion tem a mesma performance de 0 a 100 que um carro de Fórmula E, mas se continuarem acelerando, é bye-bye. Com velocidade máxima de 225 km/h os Formula E não são páreo para os 320 km/h do Lambo. E nem preciso lembrar que por ser um híbrido ele não tem que parar depois de 25 minutos pra trocar de carro.

Imagine essa tecnologia chegando aos carros normais. As vantagens de baixo consumo e baixa emissão, sem aqueles carros horrorosos projetados por estudantes para castigar visualmente todo mundo à sua volta, e sem termos que transformar as estradas em — vejamos uma metáfora apavorante — uma grande pista de Formula E.

Fonte: SG.

relacionados


Comentários