Meio Bit » Baú » Indústria » Astrônomos propõem solução para dilema científico de como Urano e Netuno foram formados

Astrônomos propõem solução para dilema científico de como Urano e Netuno foram formados

Astrônomos propõe uma solução para o problema da composição química de Urano e Netuno, fornecendo pistas para entender sua formação.

25/09/2014 às 9:15

140923101538-large

Urano e Netuno em fotos da Voyager.

Uma equipe de pesquisadores formada por cientistas americanos e franceses propuseram uma solução para um problema que há muito atormentava os astrônomos relacionado a composição química de Urano (contenha-se Silmar) e Netuno, fornecendo pistas sobre a formação de ambos. Eles focaram na posição destes que são os planetas mais distantes do sistema solar (saudoso Plutão) e tentaram explicar no seu modelo como e onde eles foram formandos.

Urano (aaarrrrggggg!) e Netuno têm em torno de quinze vezes a massa da Terra e são formados por aproximadamente 90% de gelo e são muito ricos em carbono. Devido à estas características peculiares as origens destes dois planetas estavam envoltos em incertezas até hoje. Modelos anteriores tentando explicar sua formação, assim como observações sobre o sistema solar, não conseguiram explicar como eles foram formados na região onde estão posicionados hoje. Esta área, muito afastada do Sol, não tem material o suficiente para formar Urano (youraaaaaaaaarg!) e Netuno rápido o suficiente antes da dissipação da nebulosa protossolar. Depois que ela se dissipou, seria impossível para os dois planetas ter envelopes gasosos.

O Observatório Herschel recentemente focou esforços em observar a composição isotópica de Urano (ânuaaaaaaaaaaaaaaaaaarrrggg!) e Netuno, especialmente na taxa deutério-para-hidrogênio (D/H), um marcador usado para determinar a origem dos elementos que formaram o sistema solar. Este marcador isotópico é muito sensível à temperatura da nebulosa protossolar, sendo baixa perto do Sol e aumentando com a distância. Modelos dinâmicos sugerem que Urano (tá, parei) e Netuno foram formados na mesma região distante que os cometas e portanto devem ter uma razão D/H alta. Surpreendentemente, as medições do Observatório Herschel mostraram que a razão D/H dos dois planetas são muito mais baixas do que as medidas em cometas.

Este estudo tenta solucionar todos estes problemas de uma vez, propondo um modelo baseado em simulações detalhadas da distribuição e transporte dos mais abundantes e voláteis elementos da nebulosa protossolar do sistema solar (H2O, CO e N2). Estas simulações mostram a presença de “picos” de densidade de sólidos em regiões onde a temperatura da nebulosa é suficientemente baixa para que haja condensação de gás (ou linhas de gelo). Os resultados mostram que Urano (lá, lá, lá) e Netuno, aparentemente, formaram-se na linha de gelo do monóxido de carbono (CO), o que explicaria por que eles são formados de sólidos ricos em carbono e gás pobre em nitrogênio. Quantidades muito grandes de CO combinados com baixas quantidades de H2O determinam então o valor D/H medido nas atmosferas dos dois planetas. Além disso, a linha de gelo do nitrogênio fica um pouco mais longe, então os planetas se formaram naturalmente pobres em nitrogênio. O modelo proposto determina quantidades de carbono e nitrogênio que são consistentes com os valores observados e estabelece que a formação de Urano (your anus, pronto. Droga, sinto dor física ao ignorar uma piada ruim em inglês) e Netuno ocorreu nesta região distante.

Fonte: SD.

Leia mais sobre: .

relacionados


Comentários