Meio Bit » Arquivos » Ciência » Não tá fácil pra ninguém, EUA investindo em tecnologia para transformar restos de milho em combustível

Não tá fácil pra ninguém, EUA investindo em tecnologia para transformar restos de milho em combustível

Nos Estados Unidos, uma fábrica subsidiada pelo governo deve trabalhar com a quebra da celulose em escala industrial para gerar etanol à partir de lixo vegetal.

07/09/2014 às 12:45

0c6617f1388d51790dd51f02eb5ed2b4

Fábrica poderá processar 750 toneladas de restos de milho por dia.

A corrida por formas sustentáveis de gerar energia não é apenas modinha. Além de fazer os ecochatos pararem de reclamar, também é essencial para que uma nação mantenha seu nível de independência com relação as outras. Energia é poder.

Até agora, os maiores esforços na produção de biocombustíveis estavam concentrados no bom e velho processo de converter o açúcar das plantas em etanol (nosso querido álcool). Entretanto, se quisermos que os biocombustíveis um dia representem algo de significativo frente aos combustíveis fósseis, precisamos aprender a produzir energia feita de alguma coisa que já não possa ser usado como comida, nem por nós, nem por nossos animais. Isso significa trabalhar com algo que não seja açúcar.

O candidato mais promissor é a celulose, um robusto polímero de açúcares que dão as plantas o poder de crescerem muito altas. Quebrar a celulose em açúcares (que depois podem ser convertidos em etanol) não é muito fácil economicamente falando, apesar de muito esforço já ter sido feito para encontrar algum processo que possa funcionar adequadamente. Uma boa saída é utilizar as enzimas de bactérias e fungos que normalmente são responsáveis pela decomposição da madeira.

Mirando nessa nova forma de produção de energia, os EUA anunciaram a implantação da primeira fábrica em escala comercial no país com essa capacidade. O Projeto Liberdade foi instalado em Iowa e é resultado de uma joint venture entre as agências de energia Americana e Holandesa. A planta, com capacidade pra processar até 750 toneladas de resíduos por dia, poderá trabalhar com praticamente qualquer material não comestível proveniente das lavouras de milho: casca, caroço, caule e folhas. Apesar de a intenção ser a de usar os resíduos da produção local de milho, é possível que a fábrica também funcione com outras fontes de celulose, como gramíneas.

A Agência de Energia dos EUA divulgou que o Projeto Liberdade é a primeira de três fábricas planejadas para o futuro próximo. Juntas, as fábricas terão a capacidade de produzir mais de 340 milhões de litros de etanol por ano. Tudo muito bonito não fosse o fato do próprio governo americano ter divulgado que seriam produzidos mais de 4 bilhões de litros ainda em 2013. Parece que eles também estão “correndo atrás da máquina” por lá.

Dito isso, testar como a digestão da celulose em escala industrial se mantém é muito importante para entender se esse tipo de processo pode se sustentar e ser competitivo perante os combustíveis fósseis.

Fonte: AT.

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários