Meio Bit » Baú » Ciência » Organizadores tentam explicar porque torneio do Hearthstone não aceita mulheres

Organizadores tentam explicar porque torneio do Hearthstone não aceita mulheres

Organizadores da seletiva finlandesa e da competição mundial de Hearthstone: Heroes of Warcraft tentam explicar porque é que eles não permitem que garotas se inscrevam para os torneios. E a desculpa não foi convincente não.

02/07/2014 às 15:11

hs

Vai acontecer entre julho e agosto, na Finlândia, um evento chamado Assembly Summer 2014, que receberá a competição de qualificação do mundial de Hearthstone: Heroes of Warcraft.

O Heroes of Warcraft IeSF World Championship vai acontecer em Baku, no Azerbaidjão, em Novembro. A seletiva da Finlândia receberá 16 jogadores, dando € 1.000 em prêmios.

Só que a organização finlandesa pontuou uma restrição um tanto quanto absurda: só jogadores homens podem se inscrever.

Obviamente essa é uma regra muito estranha para um torneio de Hearthstone. Ficou parecendo uma coisa "Clube do Bolinha", uma casa na árvore com uma plaquinha na porta: "meninas não entram".

update_hiesfq

O pessoal da PC Gamer foi investigar, e obtiveram essa resposta de Markus "Olodyn" Koskivirta, responsável pela competição dentro do evento:

"A informação está de fato correta, o torneio é aberto apenas para jogadores do sexo masculino. Para estar de acordo com as regras da Federação Internacional de e-Esportes (IeSF), uma vez que o evento principal - em Baku - é aberto somente aos homens. Isso evita a ocorrência de possíveis conflitos, como uma jogadora eliminar um jogador durante os combates, entre outras coisas."

Esse foi o argumento utilizado por Koskivirta, simples assim. Ao permitir que uma garota se inscreva para a competição finlandesa, eles correriam o risco de ver uma garota vencendo, mas não podendo participar do Mundial no Azerbaidjão.

hearthstone

"Nós gostaríamos de deixar claro que a Federação Finlandesa de e-Esportes está atualmente agindo à favor dos direitos iguais entre homens e mulheres nos torneios da IeSF. Trata-se, no entanto, de um projeto em andamento e nós vamos continuar dando suporte à essa causa". - completou ele.

No evento do Facebook é possível ver a seguinte divisão de gêneros:

  • Competição masculina: Dota 2, Starcraft 2, Hearthstone, Ultra Street Fighter IV
  • Competição feminina: Starcraft 2, Tekken Tag Tournament 2

Ao que parece, os organizadores acham que Street Fighter, Hearthstone e Dota 2 são para os meninos. Meninas podem jogar Tekken Tag.
Starcraft 2, por sua vez está liberado para meninos e meninas, desde que eles não joguem juntos.

1507860_10152824244369638_4169721101443837401_n

Claro que a IeSF tentou colocar aqueles panos quentes. Quando a instituição foi indagada sobre essa situação, esta foi a resposta:

"A decisão de dividir competidores homens e mulheres foi feita de acordo com as autoridades internacionais de esportes, como parte do nosso esforço de transformar e-Esportes em esportes legítimos. Xadrez por exemplo tem campeonatos divididos entre homens e mulheres."

Como diriam os caras da banda OMC: How bizarre?! How bizarre?!

Mesmo em eventos esportivos de ponta, profissionais, já é questionável a divisão de gêneros. Sim, questionável.

Afinal, o que sustenta isso é o argumento de que os homens possuem um físico muito mais desenvolvido que as mulheres. E, sendo assim, talvez a gente não devesse permitir que seleções africanas de futebol jogassem contra equipes como a de Honduras, ou da Coréia do Sul.

Pessoalmente, posso falar sobre futebol, já que eu jogo semanalmente em uma liga aqui nos EUA que mistura homens e mulheres e vocês se surpreenderiam com o número de garotas que jogam MUITO BEM. De dar olé nos marmanjos mesmo, de fazer trocas de passes que te fazem correr muito pra tentar recuperar a bola e evitar um gol.

A brasileira Marta mesmo, tantas vezes melhor do mundo, poderia facilmente jogar em algum time profissional da liga masculina.

Queria deixar aqui um estudo científico sobre isso, publicado no Science Direct, chamado Gender differences in match performance characteristics of soccer players competing in the UEFA Champions League. Vale muito à pena dar uma lida, pois sai do achômetro e entra numa análise mais aprofundada do assunto.

De qualquer forma, ao menos não neste texto, não vou entrar neste mérito. Não funciona assim hoje e talvez nunca venha a funcionar. Comercialmente está dando lucro no modelo atual, certeza que vão manter assim.

Mas por favor, Hearthstone não é um jogo que requer quaisquer distinções de gênero. Trata-se de uma decisão arbitrária e que é muito difícil de ser levada a sério.

Se você já jogou qualquer MMORPG, qualquer jogo com multiplayer online, sabe que é fácil encontrar garotas que jogam muito bem. Mesmo. Em World of Warcraft eu já vi meninas liderando as equipes e designando tarefas e traçando estratégias de uma forma sensacional. É um jogo intelectual, no final das contas.

Para o Assembly Summer 2014, Koskivirta disse que todos os torneios são "abertos à todos os públicos", em uma tentativa de pedido de desculpas.

A IeSF ainda tentou argumentar que a parcela de jogadoras do sexo feminino é muito baixa e que ao fazer uma competição só delas, eles acreditam estarem promovendo a criação de ligas femininas.

Só que a história mostra que a segregação é um verdadeiro fiasco na promoção de igualdade. E eu lembro que o exemplo do Xadrez é tão sem sentido que o World Chess Championship recebe mulheres jogando contra homens. Pode perguntar pra Judit Polgár.

A organização do torneio em Baku, ao perceber a má repercussão do ocorrido, soltou uma nota na qual diz estar atenta às opiniões da indústria e dos jogadores e que ouvir é uma de suas políticas mais importantes. Por isso eles prometeram coletar as informações e opiniões das redes sociais e soltar um outro comunicado à imprensa em breve.

Vamos aguardar.

E você, qual sua opinião à respeito? Acha que jogadores e jogadoras podem competir entre si? Ou na sua opinião é melhor separar os gêneros em competições distintas?

Deixe seu comentário aqui embaixo.

Fontes: PC Gamer, INCGamer e Science Direct.

relacionados


Comentários