Meio Bit » Baú » Ciência » Diafragma Químico para seu smartphone

Diafragma Químico para seu smartphone

Preocupados com a funcionalidade do diafragma de lâminas sobrepostas em câmeras de Smartphones, uma equipe de pesquisadores está desenvolvendo um diafragma químico com polímeros eletrocrômicos.

24/06/2014 às 12:54

diafragma_químico

Câmeras fotográficas estão presentes cada vez mais em dispositivos diminutos. Tanto smartphones, quanto tablets, possuem câmeras que estão cada vez menores. Embora seus componentes possam ser miniaturizados, tudo possuí um limite determinado pela atual tecnologia. O diafragma formado por lâminas sobrepostas é um deles. Os atuais dispositivos estão atingindo o limite de tamanho em que ainda serão funcionais. Tudo bem que grande parte dos dispositivos possuem poucos números f/stops e que a maior parte da exposição é controlada pelo obturador, mas um diafragma funcional possui suas vantagens.

Pensando neste problema, uma equipe de pesquisadores da Universidade de Kaiserslautern está pesquisando uma possível solução para o problema e que pode ser o futuro para a fotografia mobile. A ideia é se utilizar de uma micro-íris que, ao invés de lâminas físicas, é formada por anéis químicos. Esses anéis químicos são formados por um polímero eletrocrômico chamado PEDOT que se torna opaco quando uma corrente elétrica é aplicada, e volta a se tornar transparentes quando a corrente cessa. Desta forma os anéis vão simular as diferentes aberturas de um diafragma.

diafragma_químico_2

As vantagens do novo sistema são várias. A primeira é o tamanho diminuto do diafragma, que vai ter apenas 55 micrômetros de espessura. A segunda vantagem é o consumo de energia bem menor, se comparado com o sistema tradicional de diafragmas. Também será possível conseguir uma abertura de diafragma perfeitamente redonda, o que não acontece em todos os sistemas de lâminas. Porém, nem tudo são flores. O PEDOT não possui uma opacidade perfeita, afetando ainda o barramento de luz até o sensor. Porém, como a pesquisa ainda está no começo, o principal pesquisador do projeto, Tobias Deutschmann, está confiante que será possível executar um refinamento do material para propiciar a opacidade necessária.

Quem viver verá.

Fonte: Petapixel.

Leia mais sobre: , , , .

relacionados


Comentários