Meio Bit » Baú » Games » Cliffhorse, a crítica de Notch aos jogos inacabados

Cliffhorse, a crítica de Notch aos jogos inacabados

Criador do Minecraft revela seu novo jogo, o Cliffhorse, e pessoas percebem que esta foi a maneira encontrada por ele para criticar os games vendidos ainda em estágio de desenvolvimento, o que não deixa de ser irônico.

09/06/2014 às 10:00

cliffhorse

Depois que você cria um jogo que se transforma numa enorme sucesso comercial e serve como um divisor de águas para a indústria, é natural que todos os seus passos chamem a atenção de um enorme número de pessoas, mas Markus "Notch" Persson parece ter o dom de se destacar.

Além de viver dando declarações polêmicas no Twitter, o criador do Minecraft vez ou outra revela um novo projeto esquisitão e no último deles, o sujeito nos coloca na pele de um cavalo que anda por um vasto mundo enquanto empurra uma bola que lembra couro de vaca, o que convenhamos, não é uma descrição capaz de empolgar muita gente.

Feito com a engine Unity, o game designer teria precisado de duas horas para criar o jogo e utilizado apenas os recursos presentes no kit de desenvolvimento. Por fim, um detalhe colocou uma pulga atrás da orelha de algumas pessoas, que é o fato de que o tal Cliffhorse, que Notch classificou como em estado “early access”, talvez nunca receba atualizações e que ele pode ser baixado gratuitamente, mas com doações em Dogecoins sendo muito bem vindas.

Logo as pessoas começaram a se tocar que esta foi a ideia encontrada pelo sujeito para criticar a maneira como muitos desenvolvedores estão abusando da estratégia de colocar à venda títulos que ainda estão sendo feitos, algo que tem gerado situações complicadas como as relacionadas ao Earth: Year 2066 e ao Towns.

Para piorar, não demorou muito para que o jogo arrecadasse algo próximo a US$ 100, o que pode não parecer muito, mas em se tratando de tudo o cerca o "projeto", chega a ser preocupante, afinal estamos falando de algo que aparentemente não passa de uma critica disfarçada de brincadeira.

O irônico é que embora se trate de uma época bastante diferente, o próprio Minecraft começou a ser vendido quando ainda estava em desenvolvimento, mas pelo o que pudemos perceber no experimento do sueco, hoje as pessoas não estão muito preocupadas em tentar conhecer melhor aquilo em que estão colocando seu dinheiro.

Particularmente, há várias atitudes de Markus Persson com as quais não concordo e ainda espero o dia em que ele deixará de ser conhecido como "o game designer de um jogo só", mas nesta aí eu tenho que tirar o chapéu para o cara, ele foi brilhante!

Fonte: BBC.

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários