Meio Bit » Baú » Hardware » Xiaomi prepara expansão para mais países, e Brasil está nos planos

Xiaomi prepara expansão para mais países, e Brasil está nos planos

Hugo Barra revela planos de expansão da Xiaomi para o mercado mundial; entretanto, chegada ao Brasil e outros países da América Latina não é uma prioridade

14/04/2014 às 15:00

hugo-barra-xiaomi

O VP da Xiaomi Hugo Barra anunciou nesta segunda-feira os planos de expansão da empresa no mercado internacional, já prometidos há algum tempo. E sim, confirmando os rumores a fabricante está se preparando para entrar no mercado brasileiro, embora a prioridade atual seja o sudeste asiático.

Hoje durante o fórum China 2.0 na Universidade de Pequim, Barra comentou que o primeiro mercado visualizado pela Xiaomi é a Indonésia, seguido por Indonésia e Filipinas. Esses mercados servirão como testes para o próximo passo que é a entrada na Índia, o segundo maior mercado asiático depois da China. A expansão para a América Latina é planejada a longo prazo tendo em vista Brasil, México e demais países.

Nota-se que a estratégia principal da Xiaomi não é bater de frente com grandes fabricantes Android como Samsung, LG e Sony em mercados como Europa e Estados Unidos (esse nem de graça, a Huawei já comeu fogo por lá e a última coisa que querem é virar outro bode da NSA), onde muito provavelmente não teria força para se destacar. Por outro lado, mercados emergentes pedem aparelhos mais baratos de qualidade, e a fabricante Chinesa possui os métodos para amortecer os custos de produção a ponto de aparelhos de ponta serem mais acessíveis. E ainda que demore para a Xiaomi vir para o ocidente, a empresa sabe muito bem que este é um mercado promissor e a experiência de Barra com o Google, aliado ao fato de ser brasileiro e portanto conhecedor do mercado latino adiciona muitos pontos. Hans Tung, um dos primeiros investidores da Xiaomi disse que Barra "é a pessoa certa para levar a empresa a outro continente".

Esperamos mesmo que quando a Xiaomi entrar no Brasil ela o faça com produtos de qualidade e com preços competitivos, e que principalmente se livre dos vícios chineses como kibar trabalho alheio.

Fonte: TiA.

relacionados


Comentários