Meio Bit » Baú » Áudio e vídeo » Neil Young lança um iPod Killer. Em 2014. E faz sentido.

Neil Young lança um iPod Killer. Em 2014. E faz sentido.

Pode parecer anacrônico em 2014 alguém lançar um player portátil de música, mas o Neil Young, que não é macaco novo sabe muito bem onde enfiar a mão, e está tocando um projeto de um player FLAC com áudio de altíssima qualidade. Não é pro bico da maioria, mas é muito bom.

31/03/2014 às 18:38

playberdomal

Dizem que enochatos, vegans e ex-fumantes estão entre as criaturas mais chatas da Terra. Quem diz isso não conhece os audiófilos, uma galera que por eles iTunes não existiria, iPods não existiriam, MP3 é obra de Satã e soa como um rato torturado ecoando no crânio esfacelado de Hitler. Em mono. Os “bons” audiófilos sequer reconhecem CDs como uma mídia viável.

Claro, boa parte são posers, incapazes de reconhecer a diferença entre um cabo de milhares de dólares e um cabide de arame, mas o ponto é: eles têm milhares de dólares para gastar em cabos, amplificadores valvulados e outras mumunhas. Infelizmente (para os fabricantes) são um nicho pequeno, por isso até hoje sua maior reivindicação não havia sido atendida, mas este projeto do KickStarter pode mudar tudo. É um player portátil de música que parece um iPod Nano tridimensional, com preço de US$ 400,00. Soa absurdo? Essa é a idéia.

O tal PonoPlayer (não confundir com o RedTube) não tem Wi-Fi, não tem Bluetooth, não tem apps, não faz chamadas nem roda Candy Crush. Ele faz uma coisa, e muito bem: toca música. Com 128 GB de armazenamento (64 internos, 64 no cartão micro-SD) ele gerencia uma biblioteca de áudio em formato FLAC, que armazena o áudio sem perdas. É como se fosse um ZIP. Toda a informação do arquivo original é mantida, ao contrário do MP3, que usa um monte de marmotagens matemáticas pra determinar o que seu ouvido é incapaz de escutar e elimina do arquivo essas partes, tornando-o bem menor.

Dizem os especialistas (de verdade, não audiófilos) que a diferença é gritante, e compensa esses 128 GB comportarem “apenas” 800 músicas no formato UHD, 192 kHz / 24 bits. Em qualidade CD (ou lixo, pra eles) cabem umas 5 mil músicas.

A empresa que produz(irá) o PonoPlayer foi fundada pelo Neil Young, e conta com apoio de vários outros artistas famosos. Imagino que não seja um peixe difícil de vender, afinal junta-se o desejo natural do artista, em querer que o público consuma seu conteúdo com a maior qualidade possível, com o desejo natural do artista de vender de novo todas as músicas que o sujeito já tinha comprado, desta vez em formato FLAC.

O projeto pediu inicialmente US$ 800 mil. Em menos de 15 dias já havia amealhado US$ 5 milhões. Interesse há.

Parece um caso raro onde todos os envolvidos tem a ganhar. Quanto a mim, como o alcance dinâmico da minha audição é de meia oitava, fico feliz com meus MP3 com fone Bluetooth mesmo.

Fonte: Tech Crunch.

Leia mais sobre: , , , .

relacionados


Comentários