Meio Bit » Baú » Hardware » Eric Schmidt acredita que robôs serão onipresentes em nossas vidas no futuro

Eric Schmidt acredita que robôs serão onipresentes em nossas vidas no futuro

Um futuro à lá Jetsons é o que o presidente do Google Eric Schmidt promete para nós: segundo ele, os robôs serão parte intrínseca de nossas vidas

07/03/2014 às 12:00

animatrix

Vamos ser sinceros: apesar de Hollywood já ter cansado de retratar versões de um futuro onde a humanidade dançaria bonito nas mãos dos robôs, nós adoraríamos conviver com eles. É desejo nosso torná-los cada vez mais humanos não só para realizar nossas tarefas, mas para convivermos, ensinarmos e aprendermos com eles. Por isso o medo que muitos demonstraram quando o Google adquiriu a Boston Dynamics, a empresa mais próxima de desenvolver simulacros fluidos e realmente funcionais como um prenúncio da SkyNet é deveras infundado.

Mesmo assim o chairman executivo do Google Eric Schmidt acredita que teremos sim no futuro robôs nos auxiliando em n situações. Mais do que isso, eles serão parte intrínseca de nossas vidas.

Durante a conferência Oasis: The Montgomery Summit realizada ontem, Schmidt comentou que o Google "está testando a automação de forma que ela substitua vários comportamentos repetitivos de nossas vidas". Longe de uma catástrofe como Terminator e mais próximo de um futuro a lá Jetsons, ele acredita que "os robôs se tornarão onipresentes de uma maneira boa". Como Mountain View já vem pesquisando robótica há anos (o interesse original de Andy Rubin, pai do Android e que voltou a mexer com autômatos), é bem provável que estejam próximos de criar uma ferramenta capaz de assumir funções simples, algo mais próximo de um Roomba (aqueles robozinhos limpadores) ou um R2-D2 e não de um Data, até porque infelizmente a Dra. Kanako Miura nos deixou precocemente, portanto algo do nível que ela atingiu ainda vai demorar a aparecer.

Claro, Schmidt reconhece que a força do Google está em seus algoritmos, e a robótica vai evoluir muito mais no campo lógico do que o físico (mas ainda vai demorar muito para chegarmos a uma IA plenamente funcional). Para ele, "a tecnologia está evoluindo de fazer uma pergunta para oferecer sugestões revelantes. Ela (a IA) será capaz de saber o que lhe interessa e fazer recomendações. Isso é possível com a tecnologia de hoje".

Veja bem, a verdade é que o Google está investindo pesado em robótica sim, mas eles estão adquirindo know-how, profissionais de ponta, tecnologias novas e patentes. Foi a mesma coisa com a Motorola: eles absorveram o departamento de alta tecnologia (que incluía o Ara), as patentes e venderam o bagaço para a Lenovo. Sujeira? Não, negócios. E Mountain View sabe que o dinheiro está no desenvolvimento civil e não militar, portanto não foi surpresa nenhuma quando rumores acerca da retirada da Boston Dynamics do DARPA Robotics Challenge começaram a pipocar; o contrato da empresa para desenvolver o BigDog para o governo dos Estados Unidos é de menos de US$ 11 milhões, e o Google investe US$ 7 bilhões por ano em P&D. É só fazer as contas para perceber onde terão mais retorno.

De qualquer forma será interessante imaginar o que o Google pretende, já que nenhuma informação mais preciosa foi revelada.

fonte: BB.

relacionados


Comentários