Meio Bit » Baú » Games » Política de proteger as criancinhas da Nintendo poda função online do Swapnote

Política de proteger as criancinhas da Nintendo poda função online do Swapnote

App do 3DS era usado para compartilhar material ofensivo; Nintendo desativou função online e amigos agora só podem trocar mensagens estando próximos

01/11/2013 às 17:30

3ds-swapnote-sliced

Uma coisa sobre a Nintendo: não importa a crise que se abata sobre a empresa, ela nunca, NUNCA vai deixar de fazer duas coisas: produzir seu próprio hardware e manter políticas de proteção às crianças. No caso da última, ela sempre utilizou o argumento de que seus videogames são voltados para a toda a família e que não deseja um sistema livre o suficiente que permita qualquer um fazer o que quer, com a preocupação dos pequenos terem acesso ao que não devem. Daí vem a explicação do porque ela dificilmente abrirá mão da trava de região, por exemplo.

Com isso não é de se estranhar que a casa do Mario tenha podado o Swapnote, um aplicativo do 3DS que nada mais era que um messenger dedicado, que permitia enviar fotos 3D tiradas com a câmera, notas e outras coisas a seus amigos em todo o mundo. E só por aí você já imagina como ele era utilizado.

Claro, a Nintendo não gostou nem um pouco de saber que seu usuários compartilhavam desenhos (ou fotos) de partes anatônicas indiscretas, e por conta disso desativou a função SpotPass do app. Agora para compartilhar dados com outras pessoas (detalhe: somente amigos podem utilizar o recurso, mediante troca dos famigerados Friend Codes de 12 dígitos) somente a função StreetPass está habilitada: os dois usuários precisarão estar próximos para trocar dados entre seus portáteis. É o mesmo que na sala de estar com sua namorada e trocar tweets com ela ao invés de conversarem.

A desculpa oficial: "nós da Nintendo descobrimos que os usuários, incluindo menores, estavam compartilhando seus Friend Codes em fóruns e utilizando o Swapnote para trocar conteúdo ofensivo". Qualquer outra empresa fingiria que não viu, mas não a Nintendo.

Eu não culpo a empresa por sua atitude, na verdade, considerando sua forma de pensar essa é a reação esperada. O problema é que tal política engessou a Nintendo, pois ao mesmo tempo que ela não permitirá que seu público infantil acesse qualquer conteúdo, ela não será nunca capaz de entregar uma experiência online plenamente satisfatória. O mais adequeado seria deixas que os pais se encarreguem de educar e fiscalizar seus filhos mas francamente, isso é algo que a Nintendo nunca fará: abrir mão de ser a defensora da inocência dos pequenos que adoram Mario e cia.

Fonte: Ars Technica.

relacionados


Comentários