Meio Bit » Baú » Hardware » Proposta de rede wireless submarina pode permitir coleta de dados dos oceanos como nunca antes

Proposta de rede wireless submarina pode permitir coleta de dados dos oceanos como nunca antes

Ideia de pesquisadores da Universidade de Buffalo em NY é unificar os sistema de coleta de dados submarinos com sonda submersas de código aberto

16/10/2013 às 15:45

Doutorandos Hovannes Kulhandjian e Zahed Hossain testam as sondas no lago próximo ao campus da Buffalo University

Imagine a situação: você está perdido no meio do mar, dentro de um bote à deriva e por sorte, nem nenhum tigre dentro. Você tem seu celular e a primeira coisa que lhe passa a cabeça é tentar entrar em contato com alguém. Se nas cidades o 3G já não funciona direito, imagine em mar aberto. Entretanto, talvez no futuro você poderia resolver essa situação se conectando via Wi-Fi. É o que pretende uma nova pesquisa conduzida por uma equipe da Universidade de Buffalo, nos Estados Unidos: estabelecer uma rede wireless submersa, que pode ser utilizada de várias formas.

As redes sem fio de hoje utilizam ondas de rádio para transmitir os dados, mas o problema é que esse formato não se propaga bem debaixo d'água, e aspectos como alcance e estabilidade do sinal são comprometidos. Para contornar isso usam-se ondas sonoras, que são captadas por uma boa que envia o sinal para um satélite, e este se encarrega de retransmitir para um computador os dados coletados. Hoje em dia diversos órgãos meteorológicos e de pesquisa oceânica utilizam esse método fragmentado, mas o problema é que cada instituto utiliza seu próprio padrão, algo bem semelhante aos diversos formatos de banda que utilizamos aqui na superfície.

A ideia da equipe de Buffalo que conta com os doutorandos Hovannes Kulhandjian e Zahed Hossain é acabar com isso, lançando um sistema de sensores submarinos que serviriam como uma ponte entre os centros de pesquisa: ao fornecer uma rede única qualquer interessado, seja uma empresa ou um órgão independente, um pesquisador ou um estudante poderá se conectar e compartilhar os dados facilmente. Seria possível por exemplo cientistas que monitoram a atividade sísmica submarina enviar avisos de tsunami de forma mais rápida do que hoje em dia, ou até mesmo auxiliar o trabalho de equipes que mapeiam o fundo do mar ou que monitoram o nível de poluição nos oceanos.

Os primeiros testes foram realizados no lago Erie, próximo do campus da universidade; duas sondas conseguiram enviar dados para um notebook, e mesmo que o principal objetivo seja para pesquisa, nada impede de no futuro os oceanos contarem com uma rede aberta disponível para qualquer um que realmente precise utilizá-la.

O estudo está no início e por enquanto pontos importantes como quem controlaria essa rede ainda não foram discutidos, mas a ideia inicial é que ela seja open-source, até para incentivar a adoção pelo maior número de institutos possível.

Fonte: ET.

relacionados


Comentários