Meio Bit » Baú » Segurança » Firma que não entende a internet denuncia: hotspots Wi-Fi permitem acesso a sites de armas, Pr0n e DORGAS!

Firma que não entende a internet denuncia: hotspots Wi-Fi permitem acesso a sites de armas, Pr0n e DORGAS!

Wi-Fi do mal: sites de pornografia, facas e DORGAS são acessados pelo povo graças aos malignos pontos públicos de acesso à internet sem fio (e sem preservativo). É o que acha uma empresa de segurança britânica.

04/10/2013 às 0:45

issoeherrado

Imagine a irresponsabilidade: uma empresa com concessão governamental permite que qualquer um tenha uma linha direta de comunicação com a sua casa. Pior, um desafeto pode passar a noite te incomodando, e a empresa não fará NADA. Mais ainda: essa empresa fornece um meio de crianças falarem com pedófilos e traficantes, sem controle NENHUM.

O nome disso é telefone e se você acha ridículo o parágrafo anterior, acredite, é. A própria natureza do serviço torna inviável, na verdade antiético monitorar cada ligação e decidir quando está sendo cometido um crime ou não. Na verdade seria ilegal uma operadora fazer isso.

Estranhamente a Internet não é vista da mesma forma, mas a empresa de segurança AdaptiveMobile exagerou.

Fizeram uma pesquisa em 3 cidades inglesas, cobrindo 179 hotspots Wi-Fi e descobriram CHOCADOS que a maioria dos cybercafés, cafeterias, bares e lojas não utiliza filtros de conteúdo.

Os pesquisadores constataram que 51% dos estabelecimentos permitem acesso a sites adultos, mostrando que não pensam nas crianças, essas inocentes que de forma alguma têm acesso à internet em casa ou em seus celulares!

71% não restringem acessos a sites de namoro/pegação, 50% dos lugares não restringem acesso a lojas que vendem espadas e FACAS. Provavelmente como o WALMART.

O “grande” exemplo positivo da pesquisa são… hotspots governamentais, cheios de proteções, filtros e restrições, lembrando o GENIAL acesso Internet que a Infraero ofereceu por um tempo, onde você só podia acessar sites do governo.

Não estou defendendo uma internet sem leis, muito pelo contrário, mas o link em si não é o culpado. Não faz sentido punir ou exigir controle por parte de quem fornece o acesso. Uma padaria não pode ser culpada de tráfico se um avião usa o orelhão do balcão para encomendar mais drogas. Nem a companhia telefônica tem essa responsabilidade.

Tratar a Internet de forma diferente não impedirá que gente mal-intencionada e crianças acessem tudo que quiserem por N outros meios. O único prejudicado é o usuário legítimo, pois se eu sou adulto e vacinado, problema meu se quiser tomar um café enquanto confiro minhas mensagens no Grindr Tinder.

Fonte: TG.

relacionados


Comentários