Meio Bit » Arquivos » Games » Crianças usam Minecraft para manter contato com amigo deportado

Crianças usam Minecraft para manter contato com amigo deportado

Após ver seu amigo ser deportado para outro país e a campanha por sua volta não mostrar resultado, crianças criam mundo no Minecraft para não perder contato com o garoto.

04/09/2013 às 8:50

minecraft

No mundo dos adultos costumamos dizer que regras e leis foram feitas para serem cumpridas, porém, como tentar fazer com que crianças entendam a burocracia que rodeia nossas vidas? Como tentar explicar para um grupo de alunos da quarta série da Jefferson Elementary School que pode levar anos até que um dos seus amigos, o garoto Rodrigo Guzman de 10 anos, volte a pisar nos Estados Unidos, já que sua família foi deportada para o México?

É claro que os pais e professores da turma tentaram convencê-los de que esta não seria uma tarefa simples, mas o triste realismo dos adultos não impediu que os amigos iniciassem a campanha “Bring Rodrigo Home”, que hoje conta com mais de 2.700 assinaturas, uma página no Facebook e vários vídeos no Youtube. Para ter noção do empenho dos envolvidos, eles já se encontraram com políticos e até enviaram uma carta ao presidente Barack Obama, onde um dos trechos diz o seguinte:

Temos que lutar pelos direitos do Rodrigo, porque ele mesmo não pode fazer isso! Estou lhe escrevendo hoje, no dia do 100º aniversário de Rosa Parks porque isso é a coisa certa a se fazer, permitir que Rodrigo e sua família voltem para casa, para a escola e para seus amigos em Berkeley.

Contudo, todo esse esforço parece não ter tocado o coração daqueles que poderiam fazer alguma coisa e percebendo que estavam perdendo contato com a pessoa que tanto gostam, os irmãos Kyle e Scott Kuwahara decidiram aproveitar uma de suas paixões e começaram a criar um mundo no Minecraft dedicado ao amigo, nascia o ‘Rodrigo's World’.

Graças ao jogo e o mapa hospedado em um servidor alugado pelas famílias dos alunos eles poderiam continuar conversando e segundo Scott, em um lugar onde esse tipo de problema não importa, pois quanto mais eles aprendem sobre o processo de imigração nos Estados Unidos, mais injusto lhe parece. Já Rodrigo, este segue agradecendo a ajuda que tem recebido e dizendo que espera um dia poder voltar a encontrar todos os seus amigos.

Quem sabe essa história não se espalhe pelo mundo e ensine a nova geração a ser um pouco mais tolerante com as pessoas, fazendo com que no futuro essas crianças sejam os responsáveis por mudarem algumas regras ou leis estúpidas, além de mostrar aos adultos as maravilhas que podem ser oferecidas por “um simples” jogo eletrônico.

Fonte: LA Times.

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários