Meio Bit » Baú » Hardware » Análise: Netgear SC101T

Análise: Netgear SC101T

01/12/2008 às 3:49

Hoje, o mercado tem ofertas de notebooks ou micros com discos com mais de 120 Gigabytes de espaço. Uma das tarefas mais cansativas é fazer o backup de todos os arquivos (fotos, musicas, filmes e downloads) acumulados ao longo dos meses. A principal mídia disponível é o DVD, mas ele só comporta 4,3 GB. Gravar tudo isso em DVDs é inviável. O meu volume de dados acumulados é de cerca de 100 GB, eu gastaria apenas 25 discos, mas cerca de e um dia de trabalho para gravar tudo isto. A questão é se as mídias são realmente confiáveis? Quanto tempo elas durariam?

Há pouco tempo o Cardoso afirmou que os DVDs também estavam mortos para ele. * (8/10/2008)

Há cerca de dois anos tenho usado a solução de HDs externos conectados à porta USB. É uma solução barata (R$ 0,54/GB) e fácil de ser configurada. Basicamente basta colocar um HD dentro da gaveta USB e ligar este dispositivo a uma porta do computador. Após o particionamento e a formatação do disco está criada uma solução de backup.

Uma das desvantagens das gavetas USB é o fato delas estarem ligadas apenas a um computador e mesmo sendo compartilhadas na rede, geralmente não possuem recursos avançados como o espelhamento de discos para maior segurança. Pensando neste problema fiz o teste de um dispositivo que suporta dois discos e pode ser ligado diretamente na rede.

A solução que escolhi foi o Storage Central Turbo da Netgear, um dispositivo no formato semelhante a um cubo (17,53 x 15 x 14,57 cm) com duas baias para HDs SATA e conexão ethernet 10/100/1000 Mbps. Ele é um dos poucos dispositivos de storage que podem ser encontrados no Rio de Janeiro. O seu preço médio é R$ 600,00.

A instalação dos HDs no SC-101T é simples e dispensa o uso de ferrramentas. A tampa dianteira desliza para cima exibindo o espaço para inserir os dois discos. A remoção ou troca dos discos é feita com o acionamento de uma alavanca na parta traseira do produto.

O programa de instalação do storage, ao ser executado, procura o dispositivo na rede e atribui para cada disco rígido um endereço IP. Existem as opções de usar o espelhamento de disco (RAID 1) ou usar cada disco mapeado como um drive de rede no Windows. Para os testes usei dois discos de 500 GB sem espelhamento totalizando 1Tera Byte de espaço.

Para medir a velocidade do storage copiei diversos DVDs com MP3s cada um com 4,3GB de dados e anotei os tempos de transferência. Em uma rede de 100 Mbps a cópia destes arquivos ocorre em cerca de 9 min. e 20 s. Se for usada uma rede Gigabit (1000 Mbps) o tempo cai para apenas 3 min e 10 seg.

Encontrei dois defeitos no teste. O primeiro foi a necessidade de um servidor DHCP na rede para a instalação do dispositivo. Mesmo sendo padrão o uso de DHCP em redes domésticas ele não é implementado em redes maiores por medida de segurança. O segundo defeito é a falta dos drivers compatíveis com o Windows Vista no CD de instalação. Estes drivers estão disponíveis no site do fabricante.

O custo médio do megabyte armazenado é um pouco superior quando comparado às gavetas USB, mas a segurança do espelhamento e a facilidade de acesso pela rede compensam a diferença. O SC 101 T é um produto que atende bem aos propósitos de armazenamento em rede para residências e pequenos escritórios.

relacionados


Comentários