Meio Bit » Segurança » iPOG: falha crítica no macOS permite coleta de senhas em plain text

iPOG: falha crítica no macOS permite coleta de senhas em plain text

Falha detectada no macOS que afeta as versões El Capitan, Sierra e High Sierra permite que aplicativos maliciosos coletem dados sensíveis do keychain, como senhas... em plaintext.

27/09/2017 às 9:33

macos-high-sierra

O macOS High Sierra mal chegou e já foi descoberta uma falha gravíssima no sistema: uma vulnerabilidade 0-day (que afeta também as versões Sierra e El Capitan) revelada pelo profissional de segurança Patrick Wardle, um ex-NSA que hoje trabalha para a Synack permite que programas maliciosos coletem dados extremamente sensíveis dos usuários, de senhas a números de cartões de crédito.

E o pior: em plain text.

O processo é simples e ardiloso: o macOS utiliza um sistema de gerenciamento de senhas chamado Keychain (ou “Chaveiro”) que guarda uma série de informações consideradas sensíveis, bem como chaves criptográficas e números de cartões de crédito, além de informações de login de apps e serviços. É uma prática normal para manter tais dados a salvo, desde que o sistema em si seja seguro o bastante para evitar intrusões. Coisas como criptografia, quando aplicadas aos dados também são uma boa pedida.

Só que não é bem o que acontece. Wardle descobriu que um app remoto é capaz de acessar o Keychain com certa facilidade e coletar os dados dos usuários, mas o problema maior reside no fato de que não é preciso um grande esforço para isso: programas não-autenticados pela Apple, instalados de forma forçada pelo usuário (por padrão o macOS bloqueia tais apps, mas não é difícil contornar as restrições do SO) ou mesmo versões legítimas que tenham sido comprometidas (antes que pergunte sim, o CCleaner também é compatível com o sistema da maçã) poderiam em tese ser capazes de realizar o ataque. Isso posto, conseguir uma licença junto à Apple só demanda o pagamento de US$ 99 por ano e nem é algo tão difícil assim de um desenvolvedor mal intencionado conseguir.

Wardle revelou que os testes foram bem sucedidos não só no macOS High Sierra, mas também nas versões Sierra e OS X El Capitan; isso significa que boa parte dos Macs ativos hoje estão vulneráveis a ataques do tipo. Porém o mais inacreditável é que Wardle conseguiu coletar todas as informações do Keychain em plain text. Não houve nenhum tipo de resistência, uma criptografia protegendo as informações, nada.

O vídeo abaixo mostra o ataque em curso:


Steal y0 (macOS) Keychain from patrick wardle

Wardle informa que notificou a Apple no último dia 7, semanas antes do High Sierra ser lançado e só pretende revelar como chegou à vulnerabilidade assim que a maçã corrigir a falha, algo que ainda não foi feito. Em nota, um porta-voz da Apple disse apenas que “o macOS é seguro por padrão” e que o sistema avisa o usuário para não instalar qualquer coisa no sistema (dando a entender que Wardle teria forçado a barra, quando é o que profissionais de segurança costumam fazer). Ele só não explicou por que diabos o SO armazena senhas em plain text.

Sejamos sinceros aqui: é óbvio que boas práticas por parte do usuário e/ou administradores de rede (em caso de máquinas corporativas) é imperativo para evitar a instalação de aplicativos suspeitos nos Macs, mas a Apple também não fez sua parte: a facilidade com que os atacantes podem extrair informações extremamente sensíveis do Keychain, ainda mais em plain text é imperdoável, é um POG digno da quizumba que era o app do Starbucks. É uma demonstração cabal de preguiça por parte dos desenvolvedores da maçã, provavelmente por acreditarem na baboseira “o macOS é o sistema mais seguro que existe”.

Não custa nada lembrar: não existe sistema 100% seguro. Seja por brechas no código, malícia ou mera ingenuidade sempre haverão falhas e os hackers, tal qual a Cosa Nostra não perdoam. É importante que o usuário saiba que não deve instalar qualquer coisa no macOS, Windows ou Linux mas também é obrigação das empresas ao menos fazerem o dever de casa.

Fonte: Extreme Tech.

relacionados


Comentários