Meio Bit » Internet » PayPal deixará de proteger usuários em campanhas de crowdfunding que derem errado

PayPal deixará de proteger usuários em campanhas de crowdfunding que derem errado

PayPal não irá mais se responsabilizar por campanhas de crowdfunding mal sucedidas: projeto naufragou, adeus dinheiro. Caveat Emptor

4 anos atrás

paypal

O PayPal era uma boa opção para quem desejava contribuir em campanhas de financiamento coletivo, até pela questão de segurança: se um projeto desse errado o consumidor poderia tentar apelar à financeira para rever seu dinheiro de volta, mas a partir de 25 de junho isso não mais será uma opção. Dessa data em diante vai imperar o Caveat Emptor: saiba onde está investido seu dinheiro.

Temos que ser bem claros numa coisa: o crowdfunding é legal mas não passa de uma aposta. Ele por si só não é garantia de que o produto será entregue, mesmo que o projeto receba total financiamento. Como todo investimento é um negócio de risco e não uma compra garantida, quem colocar sua grana em projeto do tipo precisa estar ciente da possibilidade dele não dar certo e ver seu dinheiro ir pelo ralo.

O PayPal praticava certas medidas de modo a manter o dinheiro de seus clientes seguro, mas finalmente entendeu que não pode prejudicar seus negócios ao proteger alguém que deseja arriscar seu rico dinheirinho em projetos que podem nunca ver a luz do dia. Um estudo recente do Kickstarted apontou que a taxa de fracasso de campanhas sob sua asa é de 9%. É um número alto se considerarmos o montante de dinheiro envolvido, e não estamos colocando o IndieGoGo, o Catarse ou outros no bolo. Sem falar nas campanhas individuais como a de Star Citizen.

Isso leva à decisão do PayPal. A partir de 25/06 dinheiro investido em campanhas de crowdfunding não mais farão parte do programa de Proteção à Compra, o que significa que o investidor está por conta e risco. Se o projeto for financiado e por qualquer motivo não chegar a ser concluído, o dinheiro não será recuperado. Como em qualquer investimento, se der errado você perdeu.

A mudança de sua política reflete os riscos desse tipo de financiamento, e repassar a bucha ao comprador visa manter não só os seus custos mais civilizados como também injeta uma dose de realidade em todo mundo que compra aquele item maravilhoso na esperança de que ele será mesmo lançado. A financeira avisa que tem trabalhado com as empresas de crowdfunding e os mantenedores das campanhas a fim destas conscientizarem o consumidor que tal mercado tem seus riscos, e que não será mais babá de ninguém:

Nós excluímos os pagamentos feitos a campanhas de financiamento de nosso programa de proteção à compra em países como Austrália, Brasil, Canadá, Japão, Estados Unidos e outros. Isso mantém a consistência com os riscos e incertezas envolvidos em contribuir com campanhas de crowdfunding, às quais não garantem o retorno do investimento. Nós trabalhamos com parceiros em nossa plataforma de financiamento a fim de encorajar os donos das campanhas a comunicarem seus financiadores sobre os riscos envolvidos.”

Portanto, abra o olho da próxima vez que aquele produto mágico aparecer no Kickstarter: se o projeto for para o vinagre o PayPal não mais devolverá sua grana. Aja por sua própria conta e risco.

Fonte: PayPal.

relacionados


Comentários