Meio Bit » Internet » Quem diria, trolls profissionais são os moderadores da China

Quem diria, trolls profissionais são os moderadores da China

Repressão? Nope. A maior arma da China para controlar a internet é a distração, com a ajudinha dos trolls profissionais do “Partido dos 50 Centavos”.

23/05/2016 às 9:30

china-50c-party

A internet chinesa não é nem de longe tão libertária quanto a ocidental, mas ela também não é tão restrita quanto se pensa. Se lembrarmos que o país possui uma gigantesca comunidade de jogadores online, que majoritariamente utilizam PCs (os consoles de mesa foram liberados há pouquíssimo tempo) a gente rapidinho deixa de associar o País do Meio com nações mais retrógradas no que tange à informação. Não que eles não aprontem, claro.

Só que a China ainda é socialista no papel (mas há muito tempo deixou o Maoísmo de lado) e como ele não é bagunça, é preciso manter a pose. No que tange à internet é comum lembrar do Escudo Dourado, o grande e famigerado firewall da República Popular que barra e filtra a maior parte dos sites estrangeiros, mas este é um aspecto. Do lado de dentro a rede ainda funciona como se deveria, com seus serviços e soluções próprias e claro, humanos são humanos em todo lugar e querem as mesmas coisas. Nada demais, só trivialidades como liberdade de expressão e coisas do tipo.

O monitoramento da internet na China é constante, mas com mais da metade da população online não dá para verificar tudo, barrar todo e qualquer conteúdo compartilhado. Os censores preferem se concentrar nos assuntos mais bombásticos e atomizá-los antes que viralizem, apagando-os postagens controversas junto aos provedores ou em casos extremos partem para monitorar indivíduos suspeitos bem de perto. Já controlar toda a massa demandaria muito tempo, esforço e dinheiro.

Foi assim que a cúpula chinesa entendeu que não é preciso censurar e monitorar todo mundo, a boa tática da confusão e desinformação funciona melhor nesse caso. Para isso Pequim conta com um braço extra chamado Wu Mao Dang, ou “Partido dos 50 Centavos” (algumas traduções se referem ao órgão como um Exército). Estes nada mais são do que uma gigantesca gangue de trolls profissionais, que são pagos pelo Partido Comunista para entupir a internet de postagens, comentários, sites e blogs enaltecendo o governo e o socialismo. Dessa forma trabalha-se com massificação de informação de modo a moldar o pensamento geral da população, disseminando toneladas de fatos e dados pró-China para sufocar qualquer tipo de discurso dissonante.

O nome do partido vem do suposto pagamento reservado a esses trolls, que seria de 50 centavos de yuan por postagem. Não se sabe entretanto o valor atualizado hoje, que pode variar. Seus membros entretanto (que são chamados de “gerentes de opinião pública”) não são qualquer tipo de usuário de internet, eles são treinados dentro da doutrina comunista e instruídos a sempre fazerem postagens puxando a sardinha para o lado do partido,

Agora, estudos recentes (cuidado, PDF) indicam que ao contrário do que originalmente se pensava, a grande maioria dos posts do Partido dos 50 Centavos não são voltados para doutrinação ou propaganda, e sim para causar confusão. Uma vez que um assunto considerado espinhoso pelo governo começa a ganhar proeminência, os “gerentes de opinião” bombardeiam a área de comentários com links, postagens e opiniões controversas ou contraditórias com o intuito de desviar o assunto do tema da postagem original.

Os pesquisadores Gary King, Jennifer Pan e Margaret E. Roberts em seu estudo conjunto envolvendo as universidades de Harvard, Stanford e da Califórnia analisaram não só os conteúdos das mensagens como também e-mails vazados do Escritório de Propaganda na Internet do distrito de Zhanggong, na cidade de Ganzhou, província de Jiangxi (a 1,75 mil km de Pequim, um pouco menos que a distância entre São Paulo, SP e Palmas, TO). Extrapolando as informações analisadas, os autores do artigo chegaram ao número aproximado de 488 MILHÕES de postagens por ano, que seria o tanto de blablablá que o partido publica para desviar a atenção da população do que realmente importa.

Este é um bom exemplo de que mais do que a censura, a velha tática de causar confusão e desinformação ainda funciona muito bem e é até compreensível a China adotar este método, já que 700 milhões de cidadãos conectados não é pouca coisa mesmo.

Fonte: Fortune.

relacionados


Comentários